domingo, 4 de novembro de 2007

ALÉM DO SEGREDO

Ao observar as pessoas comentando sobre o filme “O Segredo” e como a lei de atração tem sido vista por algumas delas apenas como um meio de adquirir bens ou poder pessoal, achei que seria bom nos lembrarmos da verdadeira meta de todo ser humano: a Realização Interna.

O “segredo” que nunca foi segredo e muito menos uma fórmula milagrosa é um dos princípios universais necessários para caminharmos com serenidade e lucidez pela vida. Estes princípios devem ser observados em conjunto, pois todos são imprescindíveis para a harmonia individual e coletiva e não funcionam separadamente.

Realmente podemos atrair tudo aquilo em que colocamos emoção ou intenção, mas é preciso ter responsabilidade, meditando sobre os verdadeiros motivos e também nas conseqüências da materialização dos mesmos. A auto-observação deveria ser constante em nossas vidas, fazendo-nos questionar sempre a razão dos nossos sentimentos e dos nossos desejos, aprofundando nas suas raízes. _"Será que o desejo de possuir está relacionado ao poder de controlar, de ser aprovado pelos outros ou ainda pela baixa auto-estima, tentando compensar carências comprando coisas sem nenhuma necessidade apenas para suprir um vazio não pesquisado e muito menos compreendido?" Como podem ver, tudo muito complexo para ser resolvido da noite para o dia.

Notamos que a maioria das pessoas ainda é apegada a sentimentos, preconceitos e comportamentos que as fazem mergulhar em um mar de negatividade, culpando os outros e as circunstancias da vida. Esperam que soluções milagrosas resolvam os seus problemas, desconhecendo a responsabilidade que têm sobre a sua própria transformação e realização pessoal, pois isso sempre demanda grande esforço, disciplina e determinação. É mais fácil se deixar levar por promessas vãs baseadas em exterioridades, gerando expectativas ilusórias sobre o futuro e cobranças de resultados fictícios que nunca poderão ser alcançados, resultando em decepção e sofrimento.

Toda essa dor é originada na separatividade, na dualidade, na falta de fé na Abundância Divina e isso tem sido a causa da miséria maior, a falta de amor que rege o egoísmo e sustenta a crença no poder monetário. De que nos adianta adquirir bens materiais, se a alma está adoecida por inveja, baixa auto-estima, ódio e toda a sorte de mazelas? Precisamos perceber que somos partes de um Todo, de um grande organismo, e a Grande Consciência que nos rege sabe quais são as nossas necessidades para que possamos evoluir, nos suprindo sempre. Precisamos simplesmente estar conectados a ela para sermos banhados pela Graça.

É necessário compreender que a abundância ou a falta de dinheiro não são apenas demonstrações da capacidade de atraí-lo ou não, mas a conseqüência de vários outros fatores relacionados ao karma e missão de vida de cada um. Tudo tem uma razão de ser e todas as provas e circunstancias da nossa existência são atraídas por nós mesmos como grandes oportunidades de crescimento espiritual. Ao nos conscientizarmos disso, com certeza todas as angústias se dissiparão e poderemos viver o aqui e agora com mais profundidade e tranqüilidade.

Ser próspero é ser feliz, e isso pode significar ter apenas o suficiente para a sobrevivência, pois a verdadeira felicidade está na descoberta de si mesmo, na realização interna e na simplicidade de ser, e não na quantidade de bens que se possui. Se formos responsáveis e assumirmos o nosso verdadeiro papel como co-criadores, portadores da Luz Divina; e, principalmente se estivermos agradecidos pelo maravilhoso milagre da vida, TRABALHANDO SEMPRE PARA O BEM COMUM, todas as dádivas nos serão ofertadas, e seremos presenteados com o bem maior, a CONSCIÊNCIA DE SER, A UNIÃO COM O TODO.

No Amor e na Luz,
Márian