terça-feira, 29 de janeiro de 2008



MEDITAÇÃO

"Meditar é interromper por completo o modo como normalmente operamos, em benefício de um estado isento de cuidados e tensões em que inexiste competição, desejo de posse ou apego a qualquer coisa, sem a luta intensa, sem fome de adquirir. Um estado desprovido de ambição onde não cabe nem o aceitar, nem o rejeitar, nem a esperança, nem o medo, um estado que lentamente começamos a libertar-nos das emoções e dos conceitos que nos aprisionaram, até chegarmos a um espaço de simplicidade natural".(Rimpoche - O Livro Tibetano do Viver e do Morrer)

Meditar é religar-se ao estado natural de ser. Meditando, podemos alcançar um nível superior de entendimento, onde as questões físicas, emocionais e espirituais são observadas sob um novo ângulo. Durante a prática, alcançamos uma visão ampla da realidade cotidiana, não nos deixando envolver por sensações que podem nos afastar do nosso centro, desequilibrando-nos e trazendo transtornos em vários aspectos da existência.

A prática da Meditação nos leva à compreensão do verdadeiro sentido do existir, resgatando os reais valores da vida, nos dando uma compreensão do nosso próprio ser e do universo. Ao conectarmos com a nossa luz interior, nos conscientizamos do poder divino da autocura e somos internamente ativados a acelerar os nossos passos em direção a Luz. Com isso, temos a possibilidade de nos transformarmos internamente, compreendendo o nosso processo, curando as nossas feridas emocionais, equilibrando a mente e o corpo. Podemos assim, erradicar as causas dos sofrimentos profundamente enraizados no subconsciente.

Nós seres humanos, estamos sujeitos a interferência energética do meio ambiente (lugares e circunstâncias), de outras pessoas (sentimentos e emoções), às mudanças climáticas, astrológicas, etc. Sabemos que somos suscetíveis a tudo que nos envolve, até mesmo ao que vemos, ouvimos ou comemos. Somos antenas ligadas através dos nossos sentidos físicos ao mundo exterior. Bem, se não tivermos consciência dessa ligação, isso só irá nos distrair da nossa verdadeira busca que deve ser feita através da interiorização. Para compreendermos este processo, precisamos nos conscientizar dessas sensações, utilizando-as como instrumentos de aprendizado, sem nos apegarmos a elas achando que a satisfação que nos trazem é o único objetivo da existência. Não podemos confundir essas sensações às vezes prazerosas que objetivam a nossa sobrevivência no mundo físico com o objetivo supremo da alma.

Para reconquistarmos o equilíbrio, precisamos estar centrados e nos tornarmos receptivos ao nosso eu mais profundo, aquele que reside no silêncio, e a meditação é o caminho mais ancestral que conhecemos para isso. A prática da meditação ajuda a resgatar a nossa identidade e a mantermos a serenidade necessária para lidarmos com as provas diárias.
Ao meditarmos entramos em contato com a verdade eterna, com a pureza e com o Amor. Isso nos fortalece, livrando o nosso ser da negatividade e nos impulsionando para níveis mais elevados de consciência.


O estado meditativo é alcançado através de técnicas de respiração (controle da energia vital ou prana) e concentração. Qualquer pessoa é capaz de meditar, é preciso apenas disciplina e determinação para que os resultados sejam alcançados. Como tudo na vida, isso depende apenas de boa vontade e paciência, fatores que devem ser sempre exercidos por nós.

Márian

sábado, 5 de janeiro de 2008




LUZ E SOMBRA
Precisamos entender que uma delas só pode ser reconhecida através da existência da outra. A sombra existe para que possamos ver a Luz. A experiência na matéria nos traz a grandiosa oportunidade de vivenciarmos a complexidade da existência, da vida! Vida e morte são apenas aspectos dessa grande experiência, não são apenas princípio e fim de algo, mas movimento contínuo; passagens para planos diferentes e necessários.


A Luz é realidade, a sombra é dúvida e também faz parte do nosso processo de compreensão da vida.

Até que tudo se esclareça na nossa mente, a sombra estará tampando os nossos olhos. É preciso liberar a mente e deixar que os velhos conceitos sejam dissolvidos, é necessário tirar as máscaras que ocultam a nossa verdadeira face para que possamos nos encarar de frente e assumirmos as nossas sombras, o chamado "lado escuro da força". Se não assumirmos as nossas sombras, não conseguiremos resgatar a nossa própria Luz. É preciso lutar contra o dragão interno. É preciso aceitar as nossas imperfeições para que possamos transmutá-las.

Percebemos nas pessoas muitas dúvidas sobre bem e mal. Existem definições para bem e mal, e podemos meditar sobre isso.

O bem é a harmonia que visa sempre o bem comum, é a compreensão da Unidade; já o mal é a conseqüência da ignorância e do medo causado pelo afastamento da Unidade, é o desequilíbrio. Tudo o que leva a um transtorno físico ou espiritual é considerado mal. Tudo o que nos tira do nosso centro é mal. Tudo o que vai contra a natureza divina do ser humano é mal. Tudo o que nos leva ao centro, à Unidade é bem. Tudo o que une, esclarece, fortalece, ampara, compreende e compadece é bem. Essas definições podem ser enriquecidas ao compreendermos que o mal como fruto da ignorância faz parte do processo evolutivo humano e naturalmente à medida em que se esclarece o propósito divino e a união cósmica se dá, ele automaticamente desaparece.

É preciso entender que Deus e nós somos Um, inexoravelmente UM e para se enxergar isso, é preciso desprendimento, é preciso se entregar a essa força e deixar ir o velho eu, realizando os objetivos reais de um ser humano completo, vivendo integralmente, servindo sem expectativas, deixando-se fluir com a vida. Sendo o Amor sem barreiras, sem julgamentos, enxergando que tudo faz parte, que tudo é como deve ser.

Gerar ansiedade pela expectativa de uma realização de um desejo egóico nos afasta da realidade descortinando um véu de nuvens sobre os nossos olhos etéreos. A causa mais freqüente de stress causado pela decepção com uma derrota é a expectativa de ganhar sempre, de ser melhor do que os outros, de não aceitar as próprias limitações, etc.

O ser humano atual vive em busca de algo que nem mesmo ele sabe definir, pois está tão afastado da realidade que tem dificuldades para enxergar um palmo a frente do seu próprio nariz. É bombardeado todos os dias pela mídia com apelos que refletem a sua insatisfação, fazendo-o crer que bens materiais, a conquista do sexo oposto ou a realização profissional, trarão a tão almejada felicidade. Também é comum maquiar sentimentos egoístas com justificativas como: eu faço isso porque quero agradar o meu cliente, na verdade você está esperando apenas elogios, aprovação ou remuneração material.

De acordo com a Harmonia Universal devemos dar o melhor de nós, por amor, sem esperar nada em troca. Devemos apenas Ser, fluindo com a energia cósmica, com o Plano Divino. Expectativas só geram ansiedade, apreensão, medo, dúvida. A doação sem esperar nada em troca só gera a ampliação do Amor, da Verdade, da Luz.

"Vamos deixar que a brisa nos leve, como uma folha levada pelo vento, em qualquer direção, para qualquer lugar, e assim que a Vontade Divina quiser, vamos cair ao solo e servir de adubo para alguma semente que nos espera.
Assim seremos felizes por servir, não mentalizaremos nada.
Seremos.
Amaremos o Cosmos e seremos unos com Ele.
Vibraremos na mesma intensidade, o amor que permeia tudo e a todos.
Voltaremos a ser aquilo que sempre fomos.
"Luz"!
Estaremos conscientes da Totalidade.
Viveremos a Totalidade.
Seremos!"

Namastê,

Márian




UNIDADE E DUALIDADE

A Unidade é o Todo Abrangente, Infinito e Eterno e manifesta-se no plano físico em tudo o que existe, refletindo a sua luz imanente, materializando o Amor sob diversas formas .

É importante entender que a Unidade ao se manifestar na matéria, não aprisiona a sua criação, mas deixa-a livre para escolher as oportunidades que lhe trarão o entendimento necessário para a sua evolução. A dualidade surge como conseqüência da imaturidade dos que ainda não alcançaram a compreensão da Totalidade. Esses acreditam na separatividade entre Deus e o indivíduo em um processo natural aparentemente de involução, mas que os levará através de provas a compreensão de si mesmos e do todo, resultando assim em evolução.

É necessário compreender que nada acontece por acaso, tudo tem o tempo certo de maturação e a realidade é bem mais ampla do que os olhos físicos podem captar. A ilusão da separatividade só termina quando sentimos Deus como uma força nata em nós com o poder de realização infinita.

A dualidade está na mente daqueles que ainda não reconhecem Deus dentro de si, que ainda vivem na superficialidade, se deixando iludir por desejos de posse e poder causados pela cegueira espiritual. A dualidade é uma miragem causada pelo calor dos desejos pessoais e separatistas. Os que vivem a Unidade não vêem só a si mesmos quando precisam fazer escolhas, mas sim a humanidade universal.

Aqueles que se encontram na senda do Amor incondicional devem compreender que algumas pessoas ainda não conseguem enxergar o propósito divino, mas nem por isso deixam de estar caminhando em seu próprio ritmo. Temos o dever de abrir os olhos daqueles que amamos, mas sem impor as nossas idéias, vibrando para que um dia eles enxerguem a Verdade. Precisamos ser pacientes e desapegados, deixando a vida fluir e ensinar a todos nós as lições que precisamos.

Há algum tempo, uma visão nos foi dada pelos nossos instrutores: Uma pia cheia de água tinha a sua tampa do ralo retirada deixando escoar o seu conteúdo em uma espiral contínua até se esgotar. Aparentemente todas as moléculas de água escoaram pelo ralo, mas ao observar as bordas da pia, vimos que algumas gotas continuavam a escorrer no seu ritmo próprio, até que somente algumas gotículas permaneceram paradas até secarem e evaporarem, se transformando e caindo em forma de chuva, seguindo a sua meta, mas de forma diferente.

Mensagem da visão: Somos como as moléculas de água, seguimos todos para a mesma direção. Embora pareça que alguns estão se perdendo pelo caminho, eles continuam em seu próprio ritmo. Até mesmo aqueles que parecem parar, têm a oportunidade de retornar sob novas formas para continuar a aprender.

Somos partes de uma grande consciência e caminhamos para a mesma direção, cada um em seu próprio ritmo, vivenciando luz e sombras até que só reste LUZ.

Márian