quinta-feira, 21 de outubro de 2010



LIVRE ARBÍTRIO - O PODER DA ESCOLHA

Hoje pela segunda vez li na internet que o LIVRE ARBÍTRIO, uma LEI UNIVERSAL, vai acabar depois da transição planetária.


Acredito que essa afirmação decorre de um erro de interpretação sobre o que realmente deve acontecer quando a consciência humana se elevar para níveis superiores.


É preciso esclarecer que as Leis Universais não podem ser alteradas, elas são imutáveis. Essas leis garantem o funcionamento harmonioso da criação divina, sem elas o caos prevaleceria e o Propósito Divino do Todo que é sempre a elevação e reintegração à Unidade se perderia.


O Livre Arbítrio é uma dádiva do nosso Criador, ele expressa a confiança do Plano Divino em nós, ou seja, nos dá a liberdade de escolher o nosso próprio caminho. Concluindo, somos totalmente livres. A Grande Consciência Cósmica nos ama tanto que coloca em nossas mãos o poder da liberdade de escolha acreditando que somos capazes de evoluir e voltar para casa, ou seja, de nos reintegrarmos ao Todo com total consciência de quem somos, servindo amorosamente à Luz e sendo felizes.


O LIVRE ARBÍTRIO NÃO VAI ACABAR.


O que acontece quando alguém alcança um nível de entendimento elevado é que ele transcende os seus desejos deixando que a Vontade Divina guie os seus passos, ou seja, ele alcança a Consciência Plena da Unidade e se entrega totalmente à Luz. Acontece então a sua Redenção. Essa pessoa passa a viver de acordo com a Vontade Divina, e só não usa o Livre Arbítrio por que não precisa mais dele. Depois de ter feito escolhas positivas e evolutivas e superado as influencias do plano material através de provas determinantes, ela passa então a viver influenciada apenas pela Luz Divina.


A Lei do Livre Arbítrio não deixará de existir Universalmente, ou para todo o planeta terra, apenas ela não servirá mais para os indivíduos que ultrapassarem as limitações da dualidade, da separatividade. Ela continuará a existir em conformidade com a Harmonia Universal nos níveis e orbes em que for necessária.


Até que alcancemos o nível de Consciência Plena, nós ainda sofreremos influencias involutivas e teremos Livre Arbítrio para decidir entre a luz ou as trevas. Isso quer dizer que não importa se estivermos adiantados no nosso caminho, se por acaso optarmos pela desarmonia e por sentimentos negativos como o egoísmo, poderemos cair e retroceder no caminho.


Acho que a maioria de nós conhece a história de Lúcifer não é mesmo? Ele era um anjo muito próximo ao Pai, e deixou que a ambição de ser poderoso lhe tampasse a visão da Verdade, ou seja, ele não conseguia enxergar que era parte de Deus e, portanto, divino também. Na sua luta contra Deus, ele foi expulso dos céus pelo Arcanjo Miguel e caiu dos patamares superiores para os inferiores, para a separatividade ou o "inferno" e se tornou o "deus das sombras" ou da "ignorância e da mentira". Essa história metafórica explica a queda dos anjos (nós mesmos), ou seja, o nosso ego iludido pelo "poder" entra em combate com o Todo e se deixa cair nas sombras, na separatividade, gerando karma ou lições a serem aprendidas.


Essa história tem também o seu lado positivo e nos mostra que até mesmo através das sombras, ou da dualidade, podemos alcançar a Luz se soubermos aproveitar as oportunidades de aprendizado, principalmente aqui na terceira dimensão. Na verdade precisamos atravessar a ponte sobre o abismo, ou o deserto onde mora o ego, vencendo os nossos medos e os nossos conflitos tomando consciência da nossa própria Luz, a Essência Divina que habita em nós.


O Livre Arbítrio realmente expressa a responsabilidade que temos sobre as nossas escolhas e as suas devidas conseqüências. Talvez por isso algumas pessoas achem que isso seja um peso e não uma dádiva. Outra coisa, o Livre Arbítrio ao contrário do que foi dito é Universal e não é uma particularidade apenas do planeta Terra, toda a humanidade cósmica universal o possui de acordo com o que foi dito sobre os níveis de evolução.


As Leis Universais não devem ser vistas como uma prisão, pois elas são expressões do Amor Divino e todas são importantes para a compreensão de nós mesmos e para a manutenção da ordem cósmica. Na história da queda dos anjos onde é simbolizado o nosso próprio afastamento da Unidade, nos é mostrado que assim como Lúcifer, também chamado de "Estrela da manhã", o Ego faz parte de nós; precisamos apenas estar sempre vigilantes para identificá-lo e dominá-lo para que a nossa parte Luminosa, o nosso EU SUPERIOR prevaleça e nos liberte.


O LIVRE ARBÍTRIO é uma benção assim como o PODER DE CO-CRIAR. Somos LIVRES para SER e os únicos responsáveis por nossas escolhas, nos levem elas a derrotas ou vitórias.


Amor sempre Amor, 

Namastê,



Márian

sexta-feira, 8 de outubro de 2010


O PODER PARA CO-CRIAR UMA NOVA HUMANIDADE

Desde o início da nossa história viemos participando, mesmo que inconscientemente, da modelagem da nova humanidade e da nova Terra que agora está para surgir. Como muitos devem saber, tudo o que pensamos, desejamos e visualizamos pode ser manifestado na matéria. Bem ou mal, Luz ou trevas...

Durante todo esse tempo viemos colaborando na criação de tudo o que acontece na terra, desde os eventos mais espetaculares e maravilhosos como as expressões artísticas e tecnológicas até os mais nefastos como a guerra e a miséria. Porém, é chegada a hora de deixarmos prá trás o nosso passado de lutas, baseado principalmente no egoísmo e no medo. Na verdade, este é um momento muito especial, pois estamos mais conscientes do nosso papel como co-criadores e, portanto, capazes de canalizar esse poder junto à Vontade Divina que eternamente se expressa como o Bem. Portanto, finalmente chegou a hora onde poderemos manifestar o paraíso aqui na Terra.

Sabemos que a Terra está passando por uma transformação e a humanidade também, tudo como conseqüência das nossas escolhas e com o propósito divino de evoluir. Mudanças climáticas, movimentos telúricos e astronômicos, fatores sociais e econômicos, tudo isso faz parte deste processo de acordo com as leis do karma e da atração. Estamos terminando um grande ciclo e finalmente alcançando um nível maior de compreensão onde teremos a oportunidade de manifestarmos apenas Luz. Aliás, isto dependerá também de como trabalhamos os nossos sentimentos, emoções, e principalmente, o direcionamento consciente dos nossos desejos.

Bem, primeiramente para que o Paraíso se torne realidade, é imprescindível adotar definitivamente a Paz e a União como paradigmas do nosso futuro. É preciso então uma grande dose de desapego às antigas crenças e de aceitarmos o outro como fonte de esclarecimento e aprendizado; e também nos abrirmos sem medo para o novo. Outra coisa indispensável é que daqui prá frente nos tratemos uns aos outros sempre de forma verdadeira e amorosa, respeitando a individualidade e a liberdade de cada um. Sabemos que isso já faz parte da constituição de vários países, mas infelizmente não é colocado totalmente em prática. Precisamos então resgatar esses valores e fortalecer a nossa vontade de estabelecê-los de forma efetiva.

Nós seres humanos, como filhos da luz temos o poder da manifestação e podemos começar agora mesmo a exercitar a co-criação do paraíso na Terra fazendo visualizações daquilo que gostaríamos que fosse estabelecido. Podemos e precisamos imaginar todos os detalhes, sejam eles de que assuntos forem, desde os mais simples até os mais complicados. Além disso, precisamos também começar a colocar isso em prática, mesmo que sutilmente em pequenas ações do nosso dia a dia.
Por exemplo, podemos visualizar como devem ser as comunidades e o seu funcionamento, como devem ser tratadas a saúde, a educação, o trabalho e também o relacionamento entre as pessoas.

Podemos visualizar um Conselho formado por pessoas capazes e abnegadas, que nos represente e trate dos assuntos da organização e manutenção das normas para que a Harmonia sempre prevaleça em todos os níveis. Essas pessoas seriam escolhidas por valores espirituais e pela sua capacidade de doação em benefício do Todo e não pelos padrões políticos e sociais que a humanidade atualmente usa.
Podemos mentalizar desde já, um mundo sem competição, onde todos possam atuar de forma expressiva e sejam agraciados com tudo o que for necessário para a sua evolução e conforto.

Visualizemos também uma sociedade feliz e saudável, vivendo em contato harmonioso com a Natureza e todos os seus reinos. Visualizemos a Terra totalmente renovada e equilibrada; florestas, campos, mares e rios, toda a manifestação criativa luminosa em total sintonia com a Fonte Divina.

Visualizemos também o contato com outras civilizações, com os nossos irmãos das estrelas e dos centros intraterrenos, todos eles pacíficos e benevolentes, compartilhando pessoalmente conosco a sua experiência e sabedoria.
Além de tudo, em todos os momentos devemos visualizar a Paz; Paz, sempre paz, e também senti-la dentro de nós, pois ela existe, é real. Não podemos deixar que as circunstâncias difíceis nos levem a manifestar sombras, devemos nos voltar para o nosso centro pacífico e manifestar apenas Luz.

Peçamos a ajuda ao nosso Eu Superior para nos mostrar o que precisa ser curado em nós e no mundo. Enviemos o nosso desejo de Paz e de União ao Kosmos e aguardemos com a certeza da realização dos nossos desejos altruístas, desde já agradeçamos por tudo o que nós temos recebido e por tudo o que somos.

Os nossos orientadores nos sugerem que, simultaneamente às nossas visualizações, aproveitemos para praticar a entrega. Experimentemos doar sem esperar nada em troca, nem mesmo um obrigado, ok? É preciso se entregar totalmente ao agora e viver sem esperar nada do amanhã. Precisamos confiar no plano divino e nas hierarquias superiores, pois é certo que o Kosmos sabe quais são as nossas necessidades e nos proverá sempre.

Finalmente, precisamos assumir conscientemente o nosso papel como co-criadores e com alegria atuar na propagação e na manifestação da Luz.

Namastê,

Márian


sábado, 2 de outubro de 2010

MEA CULPA

Minha culpa, minha culpa, minha máxima culpa...

A sua consciência anda pesada por algo que você fez? O que te faz pensar que agiu mal? Quais são os parâmetros que você seguiu pra chegar à conclusão que errou? É a sua alma que sofre ou o seu ego?

Responsabilidade é o que devemos ter e não culpa.

Quando positivo, o sentimento de culpa é o primeiro passo para reconhecermos a nossa responsabilidade sobre algo que fizemos e que resultou em dor, principalmente para outra pessoa. Ele é válido para que tomemos uma atitude para reparar o erro quando estamos arrependidos. Ser humilde e assumir a responsabilidade sobre o que se faz, é essencial para retomar o caminho da Luz.

Quando negativo, a pessoa não consegue assumir o erro, o orgulho não deixa. Ela fica com a consciência doendo, mas não tem coragem de assumir a responsabilidade.

A pessoa também pode ficar se condenando sem que haja um motivo real. Ela se acha imperfeita de alguma forma e fica se remoendo, sofrendo, sem encontrar uma solução.

A culpa pode ser causada por vários motivos como:

• O fracasso de algo;

• Temer o julgamento dos outros por esperar sempre a aprovação alheia;

• Sentir-se culpado pela morte de alguém;

• Ir contra algum preceito da religião que se segue;

• Ser preconceituoso;

• Ter raiva ou mágoa;

• Ter medo de ter feito algo que é considerado “anormal” pela sociedade;

• Medo de errar;

• Abandonar alguém ou uma causa;

• Ser dependente de alguém;

• Superproteger alguém;

• Mentir;

• Caluniar;

• Roubar ou Usurpar;

• O resultado dos esforços de alguém que quer nos controlar;

• A atitude inversa, ou seja, a mania de querer controlar os outros;

• Acusar alguém injustamente;

• Ser inflexível;

• Ser autoritário;

• Manter algo em segredo;

• Fazer fofoca ou estar sempre criticando;

• O Comodismo e a falta de atitude;

• Sentimento de incapacidade para resolver algo;

• Querer ser outra pessoa;

E aí vai...

É preciso então meditar sobre a causa que nos leva a sentir culpa. Buscar no fundo da alma se esse sentimento realmente tem fundamento.

Se realmente formos responsáveis pela situação, devemos tentar consertar o erro; no caso contrário, devemos nos eximir da culpa e seguir adiante.

Quando erramos espiritualmente, o nosso Eu Superior nos cutuca criando o sentimento de culpa para que retornemos ao caminho da luz. Se estivermos realmente errados, devemos pedir perdão a quem fizemos sofrer e repararmos a situação. Se não tivermos a oportunidade de estarmos com essa pessoa, como no caso da pessoa já ter desencarnado ou se não termos mais contato com ela, basta que reconheçamos a nossa responsabilidade e mudemos o nosso comportamento diante de situações semelhantes. É importante que não fiquemos repetindo os mesmos padrões e adotemos definitivamente uma postura evolutiva.

Quando é uma questão de ego como o sentimento de incapacidade ou o de ser inflexível diante de uma situação, precisamos trabalhar no resgate das virtudes divinas como a Força Interior e a Humildade. O que não podemos é ficar sem ação, estagnados e sofrendo.

Assumir responsabilidades é amadurecer espiritualmente. Assumir a sombra é ser realista e corajoso.

Não é preciso se condenar, pois errar é humano. Precisamos apenas utilizar o erro como ferramenta para crescer espiritualmente. Precisamos também estar ciente das nossas limitações e nos empenharmos para superá-las, mas sem exigir demais do nosso ser, pois temos um ritmo que precisa ser respeitado. Devemos ter em mente que passo após passo iremos conseguir levar adiante o nosso objetivo de alcançar a Luz.

Amem-se antes de mais nada, pois todos são filhos da Luz e capazes de empreender grandes conquistas. O nosso Deus Pai, Mãe nos ama e nos perdoa sempre, acreditem nisso.

Namastê.

Márian