sábado, 2 de outubro de 2010

MEA CULPA

Minha culpa, minha culpa, minha máxima culpa...

A sua consciência anda pesada por algo que você fez? O que te faz pensar que agiu mal? Quais são os parâmetros que você seguiu pra chegar à conclusão que errou? É a sua alma que sofre ou o seu ego?

Responsabilidade é o que devemos ter e não culpa.

Quando positivo, o sentimento de culpa é o primeiro passo para reconhecermos a nossa responsabilidade sobre algo que fizemos e que resultou em dor, principalmente para outra pessoa. Ele é válido para que tomemos uma atitude para reparar o erro quando estamos arrependidos. Ser humilde e assumir a responsabilidade sobre o que se faz, é essencial para retomar o caminho da Luz.

Quando negativo, a pessoa não consegue assumir o erro, o orgulho não deixa. Ela fica com a consciência doendo, mas não tem coragem de assumir a responsabilidade.

A pessoa também pode ficar se condenando sem que haja um motivo real. Ela se acha imperfeita de alguma forma e fica se remoendo, sofrendo, sem encontrar uma solução.

A culpa pode ser causada por vários motivos como:

• O fracasso de algo;

• Temer o julgamento dos outros por esperar sempre a aprovação alheia;

• Sentir-se culpado pela morte de alguém;

• Ir contra algum preceito da religião que se segue;

• Ser preconceituoso;

• Ter raiva ou mágoa;

• Ter medo de ter feito algo que é considerado “anormal” pela sociedade;

• Medo de errar;

• Abandonar alguém ou uma causa;

• Ser dependente de alguém;

• Superproteger alguém;

• Mentir;

• Caluniar;

• Roubar ou Usurpar;

• O resultado dos esforços de alguém que quer nos controlar;

• A atitude inversa, ou seja, a mania de querer controlar os outros;

• Acusar alguém injustamente;

• Ser inflexível;

• Ser autoritário;

• Manter algo em segredo;

• Fazer fofoca ou estar sempre criticando;

• O Comodismo e a falta de atitude;

• Sentimento de incapacidade para resolver algo;

• Querer ser outra pessoa;

E aí vai...

É preciso então meditar sobre a causa que nos leva a sentir culpa. Buscar no fundo da alma se esse sentimento realmente tem fundamento.

Se realmente formos responsáveis pela situação, devemos tentar consertar o erro; no caso contrário, devemos nos eximir da culpa e seguir adiante.

Quando erramos espiritualmente, o nosso Eu Superior nos cutuca criando o sentimento de culpa para que retornemos ao caminho da luz. Se estivermos realmente errados, devemos pedir perdão a quem fizemos sofrer e repararmos a situação. Se não tivermos a oportunidade de estarmos com essa pessoa, como no caso da pessoa já ter desencarnado ou se não termos mais contato com ela, basta que reconheçamos a nossa responsabilidade e mudemos o nosso comportamento diante de situações semelhantes. É importante que não fiquemos repetindo os mesmos padrões e adotemos definitivamente uma postura evolutiva.

Quando é uma questão de ego como o sentimento de incapacidade ou o de ser inflexível diante de uma situação, precisamos trabalhar no resgate das virtudes divinas como a Força Interior e a Humildade. O que não podemos é ficar sem ação, estagnados e sofrendo.

Assumir responsabilidades é amadurecer espiritualmente. Assumir a sombra é ser realista e corajoso.

Não é preciso se condenar, pois errar é humano. Precisamos apenas utilizar o erro como ferramenta para crescer espiritualmente. Precisamos também estar ciente das nossas limitações e nos empenharmos para superá-las, mas sem exigir demais do nosso ser, pois temos um ritmo que precisa ser respeitado. Devemos ter em mente que passo após passo iremos conseguir levar adiante o nosso objetivo de alcançar a Luz.

Amem-se antes de mais nada, pois todos são filhos da Luz e capazes de empreender grandes conquistas. O nosso Deus Pai, Mãe nos ama e nos perdoa sempre, acreditem nisso.

Namastê.

Márian