quinta-feira, 29 de dezembro de 2011



2012, O ANO CHAVE
São tantas previsões catastróficas circulando por aí, que algumas pessoas mais sugestionáveis passam a acreditar que o fim do mundo realmente vai acontecer.
Estamos vivendo o final de um ciclo e como tal são evidentes as mudanças, principalmente as físicas e geológicas, mas isso não significa que a Terra será destruída. Existe um plano superior magnífico para a humanidade terrestre, pois uma nova “Terra” irá surgir, ou seja, novas formas de se conviver, novos padrões de pensamento e de comportamento irão dar lugar ao sistema atual que já se encontra falido. Aqueles que trabalharam para a dissolução das sombras e consequentemente para a reativação da Luz prosseguirão no seu caminho aqui mesmo de acordo com as suas vibrações e seus desígnios. Os que não se transformarem e não elevarem as suas consciências, seguirão para lugares de acordo com as suas vibrações onde poderão continuar o seu processo evolutivo.
Na verdade a humanidade caminha para alcançar um novo nível de entendimento dentro do plano evolutivo e isso vai acontecer independente das forças contrárias. O que pode ocorrer é que se houverem muitas interferências negativas será preciso um esforço maior das pessoas para não se deixarem levar por estas circunstancias e atrasarem o seu próprio processo.
Fala-se muito no calendário maia, na profecia dos índios Hopi, nas previsões de Nostradamus, que 2012 é o ano do Apocalipse (Revelação), mas é preciso frisar que este ano será um ano CHAVE, um ano no qual será possível o entendimento amplo do significado da UNIDADE e da sua realização pela humanidade.
Durante 2012 teremos vários agentes que irão nos influenciar de forma positiva ou negativa dependendo do estado da nossa consciência. Se estivermos centrados e com os nossos objetivos bem claros e definidos, voltados exclusivamente para a vitória da Luz, tudo deverá seguir harmoniosamente e conseguiremos ultrapassar as provas deste período e conquistar a Chave que irá abrir os nossos caminhos para o novo plano, para um novo nível de consciência ou dimensão. Ao contrário, se nos deixarmos levar pela negatividade poderemos perder a oportunidade de nos libertarmos de vez daquilo que nos prende aos planos inferiores e então seguirmos por caminhos adversos.
De acordo com a Astrologia, 2012 será regido pela lua que influencia todos os fluidos e também mexe com as emoções e os sentimentos submersos, isso significa que tudo o que precisa ser trabalhado dentro de nós virá à tona para ser lapidado e transmutado. Isso significa também que estaremos mais sensíveis e mais perceptivos, com a intuição mais aguçada com a capacidade de perceber melhor o nosso ego e os seus disfarces.
Já pela Numerologia, 2012 é um ano cinco (5) o que implica além de mudanças e liberdade, também responsabilidade. Cinco é o número do meio e isso pode significar tanto egoísmo quanto altruísmo. O cinco representa principalmente a quintessência, a própria Consciência ligada à Vontade Divina, portanto esse ano tem tudo para ser um ano decisivo em relação à nossa evolução.
Além do cinco estarão vibrando também os números dois, zero, um, vinte, doze, além do sete no final da pirâmide invertida da cabala.
Isso quer dizer que teremos que lidar com (2) o aprendizado da convivência, união ou separação, paciência ou intolerância, paz ou guerra. O (0) estará potencializando as vibrações tanto do 2 quanto do 1. Com o (1) estaremos lidando com as vibrações de dar início, de agir, de liderar, mas sem impor. Com o (20) poderemos escutar o chamado do alto e nos transformarmos internamente e assim cumprirmos a nossa missão de vida (12) servindo ao bem comum. Com isso poderemos sair (7) vitoriosos sobre a matéria, ou seja, alcançaremos a evolução do espírito.
Como vocês podem perceber, seremos nós os responsáveis pelas escolhas daquilo que irá prevalecer. O Cosmos sempre nos oferta opções para que possamos decidir sobre o nosso caminho conforme o nosso conhecimento e amadurecimento e esse ano estaremos sendo agraciados com muitas delas.
Na nossa percepção em 2012 teremos a oportunidade de compreendermos a importância de nos ligarmos amorosamente a todas as criaturas de uma forma mais efetiva. Teremos a oportunidade de colocarmos em prática tudo o que temos aprendido sobre compaixão, perdão, partilha, humildade, paciência e desapego.
Podemos dizer que o autoritarismo estará com os seus dias contados e a economia do antigo sistema continuará a ruir até que uma forma mais justa de trocas e prestação de serviços seja encontrada e colocada em prática pela humanidade.
As catástrofes continuarão a acontecer, pois é uma forma da Mãe Terra reagir aos transtornos que tem sofrido. Além do mais, estes movimentos, não só o da terra, mas também do Universo, fazem parte do processo evolutivo, do Plano divino. Nada acontece por acaso, tudo tem uma causa e um objetivo: O Amor.
É importante entender que não podemos nos deixar levar pelo medo que está sendo irradiado com a divulgação de profecias catastróficas, precisamos apenas estar conscientes das mudanças, mas sem nos deixar levar pela negatividade. Se estivermos presentes em algum evento desta categoria, o melhor a fazer é nos empenharmos em ajudar, dando o máximo de nós mesmos, tentando compreender a fundo tudo o que nos acontece, compreendendo que tudo é aprendizado.
Somos privilegiados por estarmos vivenciando esta grande mudança, portanto que venha 2012!
Recebamos de braços e corações abertos as bênçãos do Universo!
Feliz Ano Novo para todos!
Que as aspirações da Luz sejam todas efetivadas e que Ela prevaleça sempre!
Namastê!
Márian


quinta-feira, 22 de dezembro de 2011


NATAL DO MENINO LUZ

Em dezembro podemos perceber um certo rebuliço no ar...
Pessoas correndo prá lá e prá cá...
dizendo que o tempo parece voar...
Na mente, muitas coisas a fazer...
E no coração, uma alegria a se debater...
Mas bem lá fundo nós sabemos o porquê,
pois desde bem pequeninos ouvimos contar a história de um belo menino...
Que nasceu bem pobrezinho...
Um menino estrela que veio para sempre brilhar iluminando o nosso caminho...
O menino Paz,
O menino Amor,
O menino Luz, Jesus...

Jesus, a estrela anunciada, brilha nos nossos corações há mais de dois mil anos.

Este menino que um dia se tornou homem tinha um sonho, o sonho de despertar a humanidade para o milagre da VIDA. Ele queria nos mostrar que a felicidade está bem mais perto do que possamos imaginar. Ele veio nos dizer que somos deuses, senhores das nossas escolhas e capazes de nos libertar dos grilhões da ignorância. E Ele nos trouxe a chave para isso, Ele veio nos mostrar como AMAR, e terminou a sua missão de uma forma inusitada, doando a sua própria vida para que as suas palavras de VERDADE permanecessem fluindo pelo eterno através do vento do espírito, penetrando nos corações de todos os buscadores da Luz.

Ele nos revelou que o AMOR é exercido sempre com compaixão, misericórdia e verdade. Ele deu o exemplo disso convivendo com pessoas de todos os tipos e tratando a todos com igualdade e compreensão.

Jesus era doce, mas firme, Ele mostrava a direção a seguir sem querer convencer a ninguém. A sua presença marcante e suave bastava para modificar a vibração de tudo ao seu redor. A VERDADE era a sua arma diante dos hipócritas, Ele não media as palavras para mostrar a sua indignação diante da mentira, da covardia e da injustiça. Ao mesmo tempo nos mostrou que perdoar e entregar o outro lado da face é a forma mais sublime de render o espírito.

Na realidade Ele era um ser humano como cada um de nós, mas com algo incomum à maioria: ele não tinha nenhuma dúvida sobre a sua origem, ele sabia e acreditava, tinha a fé inabalável de que Deus e Ele eram UM SÓ.

Este SER iluminado pela Luz astral é meu Mestre desde quando eu era criança, mas foi durante a minha adolescência, que eu pude conhecê-lo melhor. Foi nesta época que conheci os evangelhos e eles me revelaram Jesus o filho do homem. Então eu me encantei por Ele, pelas suas palavras, pelo seu Ser. Eu conheci um homem íntegro e altruísta, compassivo e tolerante, humilde mas senhor da sua divindade. Um irmão, um amigo, um Mestre.

Então, mesmo decepcionada ao ver que a maioria das pessoas estava indo na direção contrária à sua declaração de AMOR e que o mundo estava cheio de egoísmo, inveja, competição, preconceitos, guerras, miséria e fome, eu ainda tinha a expectativa de ver a grande mudança falada por Ele acontecer.

Jesus já falava sobre isso no seu tempo, e encheu os nossos corações de esperança ao dizer que ainda veríamos um mundo de paz e união se nos amássemos uns aos outros verdadeiramente. Ele afirmou que quando o Espírito de Verdade viesse até nós conheceríamos a VERDADE, o AMOR sublime. Uma vez Ele disse: Levantem os olhos e vejam os campos, pois estão brancos e prontos para a colheita!

Sabemos que os tempos são chegados, a hora chegou, a mudança está às portas!

Por isso, quando os sinos tocam anunciando o Natal, sentimos toda a esperança do mundo gritar dentro de nós.  É tempo de Amar, compartilhar, cantar aos quatro ventos que Jesus nasceu e para sempre estará nos nossos corações brindando a Vida, nos agraciando com as suas palavras de Amor e liberdade!

Vinde linda criança!
És o Mestre dos Mestres!
Obrigada por nos agraciar com a sua Luz!
Vinde menino Jesus!

Márian

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011




Mexendo nos meus papéis antigos encontrei esta reflexão:


FLOR AMOR 


Durante um momento de meditação, vi um campo de flores que se espraiava nas montanhas enquanto o sol nascia. A minha visão foi sendo enfocada na direção de uma flor apenas, era um lírio com tons cor de rosa. Era um lindo botão de flor, e à medida que o sol ia se levantando no horizonte, ela começava a se abrir. O calor do sol e a sua luz dourada mexia com a sensibilidade da flor que ia se abrindo até a totalidade.


Não houve um instante sequer de paralisação do processo, tudo seguia com naturalidade, o sol cumprindo o seu ciclo diário irradiando calor e energia de vida e a flor sentindo também o calor do sol ia se abrindo, mostrando a sua beleza.


Meditando sobre isto, percebemos que toda a criação do universo flui naturalmente se seguir apenas a luz divina. Alguns de nós, seres humanos teimamos e não deixamos que a luz do amor penetre em nós com toda a sua intensidade.


Tememos a emoção da entrega, temos medo de nos perdermos. Mas, se não soubermos nos entregar como poderemos viver esta emoção tão intensa, tão profunda e maravilhosa?


Imagine se a flor ficasse racionalizando e escolhendo a hora de receber os raios do sol. Se de repente, ela resolvesse que não iria se abrir naquele instante; talvez uma parada no seu movimento interrompesse também o movimento da vida e aí... o botão que iria tornar-se uma flor, murcharia e interromperia o seu ciclo, morrendo antes mesmo de cumprir a sua missão que é tornar-se flor e refletir o sol em toda a sua beleza.


Nós todos somos flores estelares nascidas nos campos do universo. Seres feitos de amor para viver o amor; o amor verdadeiro, sem limites e condicionamentos. Estamos todos preparados para receber e viver esta energia que na verdade é a nossa energia essencial. Se somos amor, estamos aqui nesta dimensão para vivenciarmos isto em toda a sua plenitude.


"Sofrer por amor é uma ilusão. Se existe sofrimento em um relacionamento não existe amor".


Márian  09/1995

sexta-feira, 25 de novembro de 2011



AS ARMADILHAS DO EGO

Mesmo que o Ego seja um assunto sempre discutido, as pessoas continuam sempre argumentando conosco como podem se precaver das suas armadilhas.

O que podemos constatar é que realmente a nossa mente às vezes se encontra em um mar de conflitos tão imenso que é quase impossível encontrar uma solução para os questionamentos que nos sobrevêm. Sentimo-nos confusos e desgastados devido à grande mistura de sentimentos e emoções que habitam dentro de nós. Produzimos pensamentos ininterruptos, verdadeiros turbilhões que nos desviam cada vez mais do nosso centro. Queremos paz, mas não sabemos como encontra-la e nos tornando presas fáceis das armadilhas que o nosso ego nos prepara.

O Ego se manifesta sempre de forma sutil e insidiosa para nos confundir e nos fazer cair nas suas ciladas. Como lobo em pele de cordeiro, ele se disfarça sempre com justificativas convincentes nos levando a acreditar nas suas “boas e sinceras intenções”. Com sua esperteza ele visa sempre o prevalecimento da ilusão na matéria e nos seus prazeres efêmeros. Com certeza o seu objetivo é nos manter presos a essa ilusão, e essa função ele exerce muito bem.

E atenção: os olhos do Ego enxergam de forma desvirtuada as questões da vida. Ele está sempre cheio de si e só consegue ver aquilo que lhe agrada, aquilo que o enaltece. Ele está sempre tentando desculpar nossas atitudes falhas e justificando suas razões dizendo que as verdades são muitas, que não existe mal nem bem, que as decisões a serem tomadas devem ser sempre baseadas apenas no bem individual e não no coletivo, etc.

O ego também nega a existência de qualquer tipo de regra a ser cumprida por ele, fazendo-nos esquecer da existência das Leis Universais que se porventura forem burladas provocarão desequilíbrio e karma. O Ego também tenta evitar a todo custo que mudemos padrões que já não nos servem mais e que foram estabelecidos pela sociedade ou por nós mesmos, estancando assim o nosso progresso espiritual.

O ego quer que acreditemos que nada existe além da matéria, que aquilo que não vemos, não ouvimos e não sentimos com os cinco sentidos, não pode existir. Ele está sempre lutando para que as suas ideias prevaleçam fazendo argumentações muito bem elaboradas nada fáceis de serem derrubadas.

Diante de todas essas considerações, é preciso estar sempre atento às suas manifestações nos tornando observadores imparciais de nós mesmos, voltando-nos para o nosso interior e buscando no silêncio a visão que irá nos mostrar a sua verdadeira face.

Ao identificarmos nosso ego ficará mais fácil combate-lo. Essa é uma luta que precisa ser travada para nos libertarmos dos nossos conflitos, não podemos fugir e somente a paz interior nos mostrará qual o verdadeiro caminho para vencê-la. Na verdade, a arma mais poderosa que temos para usar nesta batalha é uma mente pacífica e resoluta que saiba identificar as artimanhas do nosso ego e dissolvê-lo na sabedoria do Amor.

A batalha contra o ego é descrita em várias religiões como, por exemplo, na vida de Jesus quando ele vai para o deserto e jejua por 40 dias. Durante esse tempo ele é tentado pelo demônio (ego) e o vence para voltar ao mundo e cumprir a sua missão. No hinduísmo no livro Ramaiana, Rama tem que lutar com Ravana o demônio de dez cabeças. Buda também trava a sua batalha com o demônio Mara durante a sua meditação e precisa vencer as suas tentações.

Na nossa batalha pessoal precisamos antes de tudo admitir as nossas sombras, as nossas limitações e abrir a nossa mente para todas as possibilidades, orando e vigiando para assim que o nosso ego se manifestar possamos identifica-lo para que ele não nos domine mais. Meditando no silêncio, no nosso centro de paz sairemos vitoriosos e os conflitos darão lugar à serenidade e à sabedoria.

Descobriremos que para neutralizar o ego é preciso exercitar o Amor, a Compaixão, o Perdão, o Altruísmo, a União, a Paciência, a Tolerância, a Aceitação, a Humildade, a Coragem e a Simplicidade.

Assim poderemos alcançar um nível apurado de discernimento e perceber que a Verdade é única e que as ditas “verdades de cada um” são o resultado dos níveis de compreensão em que cada pessoa está, e, portanto pode ser imperfeita. Que essas ditas “verdades” podem encobrir facetas de egoísmo e de outros “ismos”, pois é muito dolorido para o ego reconhecer que precisa dividir, compartilhar, tolerar, admitir, aceitar, doar-se completamente ou até mesmo morrer pelos outros.

Quando vencermos a luta, quando conseguirmos dissolver o nosso Ego, daremos espaço ao nosso EU Superior para que ele atue em todos os parâmetros do nosso ser sempre unido ao Todo imanente deixando que o Amor e a compaixão quebrem os grilhões da nossa ignorância.

A consciência do nosso Eu Superior é VERDADE, LUZ, SABEDORIA E AMOR e o Ego é exatamente o contrário disso.

Luz e Paz,


Márian 


segunda-feira, 14 de novembro de 2011



ESPANTE O SOFRIMENTO, A VIDA É UMA BENÇÃO!

Temos visto muitas pessoas dizendo que a vida delas é dura, que o sofrimento é constante e a Terra é um mundo de expiação, uma verdadeira armadilha da qual não se pode fugir. Essas pessoas também se dizem oprimidas e que o karma que carregam é terrível e praticamente sem solução. Elas veem o mundo com desalento e sem nenhuma perspectiva de melhora, e mesmo que a mídia mostre coisas boas, elas só conseguem ver as notícias de desarmonia política e social, doenças, violência, pobreza e fome levando-as assim a um total descrédito em relação à vida.

Infelizmente elas só conseguem ver o lado escuro da “Força” e ainda não enxergam a Luz que existe na essência de todas as coisas existentes, não conseguem perceber o lado positivo e as lições de Luz que as dificuldades apresentam para elas. Elas não sabem que tudo tem uma única razão de ser e um único propósito que é a evolução através do aprendizado do Amor.  

O que essas pessoas também ainda não sabem, é que elas podem terminar com o esse “sofrimento” sem fim. Acha impossível? Não, não é, mas para que isso aconteça primeiro é necessário reconhecer a sua própria Luz e a sua capacidade de ultrapassar barreiras. Depois é preciso entender que toda dor é causada por algum tipo de apego. Pode ser o apego aos desejos, aos sentimentos ou às emoções. Apego ao controle e ao poder, apego aos prazeres e até mesmo apego ao próprio sofrimento. Na verdade o sofrimento é o resultado do domínio do Ego sobre a pessoa.

Na maioria das vezes as pessoas se apegam à ilusão daquilo que gostariam de ser e desconhecem o verdadeiro ser que elas são, e que na sua essência é simples e verdadeiro. Elas se deixam contaminar por sentimentos de cobiça, inveja, orgulho, egoísmo e medo se envenenando com energias de baixa vibração.  Elas talvez esperem ser alguém importante, rico, belo e carismático iludidos pela ideia de que isso é o que vai lhes trazer felicidade. Elas também sentem medo de tudo, medo da não realização dos seus sonhos e desejos, medo da morte, medo da separação, medo de serem assaltadas, medo de espíritos negativos, medo de viver e de experimentar o novo, medo de se envolver, medo de amar e até medo de ser feliz...


Elas não se conhecem e nem compreendem que antes de mais nada, elas são consciência, consciência em um corpo físico que mesmo depois da morte continuará a sua caminhada em outros corpos ou não, continuando a caminhar sempre, eternamente....


Elas estão completamente anestesiadas e iludidas pelas emoções, pelos sentimentos e pelas sensações. Estão cegas para a verdadeira imagem de si mesmas. Isso gera apego e como consequência disso o sofrimento, e mesmo quando a pessoa alcança algum desses objetivos virtuais, ela continua a sofrer, pois na verdade a sua essência busca um outro objetivo, ela busca ser Luz e a Luz não é emoção, nem é sensação.

Para acabar com o sofrimento precisamos nos desapegar da ilusão que o Ego nos impõe. Precisamos apenas ser o reflexo da nossa essência divina, buscando na simplicidade e na verdade o modo correto de viver. Precisamos deixar ir ideias errôneas sobre quem somos e o que pretendemos ser. Precisamos deixar ir o desejo de estar sempre no controle e nos entregarmos à vida de corpo e alma, nos deixando envolver pelas circunstâncias sem perdermos o nosso centro.

Concluindo, se nos libertarmos do Ego não sofreremos mais. Na verdade a pessoa que se liberta do ego passa ver e a sentir o sofrimento de uma outra forma. Ela não sofre como a maioria, mas é abnegada e vê o sofrimento como uma Redenção. Ela não sente mais dor, mas o êxtase da União Sagrada. Com a Redenção o sofrimento termina.

Neste instante, vocês podem estar se perguntando como encontrar forças e clareza para discernir e encontrar a solução para tudo isso. Bem, a resposta está na meditação, a sua prática constante é a chave para nos enxergamos com nitidez e sem ilusões, mantendo sempre o nosso centro amoroso, sereno, pacífico e feliz.

Amor sempre Amor,

Márian


quarta-feira, 2 de novembro de 2011


A MORTE NÃO É O FIM


Ter medo da morte ou sofrer pela morte de alguém é mais do que natural. 

Como a maioria de nós não tem acesso a outras dimensões é natural ter medo daquilo que não se conhece, que não se pode ver e nem sentir. Mesmo que o assunto seja bastante discutido hoje em dia, com filmes, livros e que também muitas experiências científicas estejam confirmando aquilo que algumas filosofias e religiões dizem, isto é, que existe vida além da morte, muitas pessoas ainda têm medo e dificuldades para lidar com isso.

Na verdade é o apego que criamos em relação às pessoas e aos nossos sentidos que nos tornam frágeis diante da morte e apesar de ouvirmos dizer sempre que somos eternos e que a morte na realidade não existe, nos sentimos vulneráveis e temerosos diante dela.

Para que a nossa dor seja amenizada e o medo superado, precisamos tomar consciência que a morte é apenas uma etapa do nosso processo evolutivo, uma passagem para outro plano assim como nascer. Nascemos e morremos muitas vezes, quantas vezes forem necessárias para nos libertarmos da roda das encarnações, evoluirmos e nos libertarmos da ignorância e dos karmas criados por nós mesmos.

Estamos encarnados aqui no plano físico, envolvidos por emoções e sentimentos tanto positivos quanto negativos, criamos tanto laços de amor e fraternidade como também de ódio e inimizade. Temos também dúvidas e anseios, alegrias e tristezas. Todos esses sentimentos e desejos se transformam em apegos, pois na verdade não queremos nos separar de quem amamos, não queremos abandonar os nossos projetos e nem deixar de sentir os prazeres que os nossos sentidos nos proporcionam e, além disso, existem pessoas que se apegam até mesmo ao sofrimento.

Esses apegos nos enfraquecem e nos levam a ter medo de perder a vida, na verdade temos apego inconsciente aos nossos sentidos físicos. Os sentidos da visão, olfato, tato, paladar e audição são a nossa ligação com o mundo. Através dos sentidos experimentamos o prazer e também a dor que estão intimamente ligados à nossa sobrevivência material e também ao nosso aprendizado como seres humanos.

Todos os sentidos são importantes para a compreensão do nosso caminho, mas não podemos nos deixar distrair por eles. Eles são instrumentos para o nosso crescimento, não são a nossa verdadeira fonte de sustento. É preciso entender que o objetivo daquele que busca é ir se voltando para dentro de si, se interiorizando e ao mesmo tempo se desligando dos sentidos que o ligam ao exterior. O objetivo da evolução é a libertação em todos os níveis.

Além disso, deve-se ter plena consciência da Eternidade e da Unidade. Outra coisa importante é que o sentimento que se deve nutrir pelas pessoas é o Amor Verdadeiro, de alma para alma, aquele que extrapola o plano físico. É preciso acreditar que não há limites para o Amor e que os nossos entes queridos estarão ligados a nós para sempre.

Uma vez há alguns anos atrás quando sofri uma perda muito grande os meus orientadores ao me consolarem me disseram uma frase que trouxe para a minha alma um alívio profundo e praticamente imediato. Eles disseram: “A dor da partida é a certeza de um novo reencontro”. Entendi então que os laços de Amor não se desfazem com a morte e estaremos sempre nos encontrando por vidas e vidas com os nossos afetos...

É o Amor, o desejo de compartilhar que nos impulsiona pela eternidade.

Namastê,

Márian


Seja um amigo nosso no Facebook: http://www.facebook.com/marian.soluz


sábado, 22 de outubro de 2011



O AMOR TRANSFORMA E LIBERTA

Apesar da aproximação da vitória da Luz sobre as trevas aqui na Terra, ainda vivemos resquícios de uma época onde a violência, a ganância e desrespeito aos direitos humanos são vistos com naturalidade, enquanto os verdadeiros valores como o Amor, a Compaixão, o Respeito, a Honestidade e a Verdade são relegados à última instância. Além disso, a miséria e a fome assolam a África e outros países, são mais de 180 milhões de pessoas passando fome.

Infelizmente o individualismo tem prevalecido em todos os níveis, e até mesmo os que se dizem evoluídos espiritualmente se deixam levar por vibrações de medo e ilusão causados pela separatividade e se afastam do caminho do Amor, da doação. Rejeitam o serviço altruísta dizendo com medo que não devemos ajudar aqueles que estão se afogando, pois senão poderemos também ser levados para o fundo...

As pessoas não se doam mais, se esquecem do exemplo vital dos grandes mestres que mesmo não precisando encarnar novamente, se oferecem por Amor e retornam à vida material para ajudarem a despertar a humanidade para a Luz da Verdade. O amado mestre Jesus e muitos outros instrutores deixaram seu exemplo, mostrando que só através do Amor e da Compaixão pode se alcançar a libertação, a felicidade sublime. Elas se esquecem do exemplo das Hierarquias Superiores que são sempre pacientes com os nossos tropeços e estão sempre prontos a nos socorrerem, e, que também cuidam para manter o equilíbrio universal ajudando aqueles que ainda estão nas trevas a acordarem do sono eterno.

É certo que precisamos buscar o autoconhecimento, a nossa própria cura, mas o trabalho voluntário também ajuda a liberar a alma dos karmas criados no passado. Parece que as pessoas não sabem que cada um de nós tem a sua parcela de responsabilidade em relação ao que acontece ao Universo, infelizmente elas ainda se veem como partes separadas do Todo.

Estejamos certos que o Amor verdadeiro, a doação incondicional, é reconfortante e nunca dói ou cansa. Os buscadores que se doam de coração não se importam em perder a “vida material” para ajudar alguém que clama por ajuda. Podemos estar certos que o sacrifício consciente não causa nenhum sofrimento, só traz êxtase divino e a sensação do dever cumprido.

Diante de tanto descaso da maioria, entendemos que a entrega e a renúncia realmente só poderão ser feitas por aqueles que compreenderem a natureza do Todo, a sua participação na história do Universo e a sua corresponsabilidade por tudo o que acontece agora e sempre. Somente os despertos aprenderão a SER e a SERVIR com humildade e abnegação. A liberação só poderá acontecer para aqueles que compreenderem que o corpo e a personalidade são efêmeros enquanto que o espírito e a consciência são eternos, e somente esses aspectos devem ser preservados.

O que precisamos compreender é que se não deixarmos de ser prisioneiros da ilusão material, nos desapegarmos e nos tornarmos compassivos e amorosos, não conseguiremos progredir. O medo de se envolver e de se perder não deve ser cultivado pelos seguidores da Luz. Palavras animadoras daqueles que nos orientam afirmam que “aqueles que vêm da Luz serão iluminados sempre”, portanto precisamos acreditar que não nos perderemos jamais, que a Luz prevalecerá sempre e estará sempre presente para nos indicar o caminho certo. As trevas existem apenas para que possamos aprender a discernir, a fazermos escolhas mais evolutivas, e não para que tenhamos medo de enfrenta-las.

Luz é sinônimo de Amor, União e Compaixão; e trevas são sinônimos de medo, egoísmo e separatividade.

Todos nós somos realmente responsáveis por nossas escolhas, e sem dúvida existem pessoas que se negam a serem ajudadas, mas não podemos fechar os olhos e negar ajuda aqueles que precisam e não sabem como pedir. Não podemos nos abster de ajudar a quem quer que seja. Um gesto de carinho, de compaixão pode causar uma transformação incrível em alguém. Um exemplo de Amor pode transformar e até curar. Aquele que ama de verdade pode elevar a vibração de tudo e de todos ao seu redor... milagres acontecem!

Por acaso devemos orar só por aqueles que são merecedores de créditos de acordo com o “nosso julgamento”, que além de tudo é imperfeito, ou devemos orar por todos independente do seu estágio espiritual ou da sua crença? Ao ver alguém se aproximando de um buraco sem perceber, você vai questionar se ele merece ou não ser avisado que pode cair? Você deve saber então que se não avisá-lo também será responsável pela sua queda... Na verdade se alguém cair num buraco, todos nós sentiremos os reflexos da sua queda, da sua dor...

Pensem bem, por acaso o salva-vidas na beira da praia vai pedir para a pessoa que está se afogando, que ela assine um compromisso de tomar mais cuidado antes de salvá-la, só para ter certeza que o seu trabalho não vai ser em vão e que ela aprendeu alguma coisa com o fato? Será??????

Precisamos assumir a Consciência de Unidade e estendermos a mão aos necessitados de cura, de carinho, de aconchego, de compreensão e também de uma nova chance. O Amor não julga, não vacila, não coloca condições, não impõe, não espera nada... Apenas Ama, doa...

É muito fácil não se envolver não é mesmo? Ficar olhando o sofrimento alheio sem tomar uma atitude é muito cômodo, não? Isso é apego ao Eu menor, medo da não sobrevivência física, medo de perder o controle ao se envolver, coisas do Ego.

O que é ser Uno então? Prega-se tanto a União, mas na hora que é preciso comprovar isso na prática se vira o rosto? Devemos sim fazer a nossa parte, olhar para o lado, ao nosso redor, sentir quem está precisando de ajuda, arregaçar as mangas e dar o melhor de nós mesmos.

Jesus nos disse: Amai ao próximo como a ti mesmo.

Afinal viemos aqui para SER e SERVIR seguindo o caminho do Amor, do Dharma. Afinal de contas Somos Todos Um ou não?

Namastê,

Márian



sexta-feira, 21 de outubro de 2011




QUAL É O SEU DOM? QUAL É A SUA MISSÃO NA VIDA?

É quase certo que algum dia você já se perguntou: Qual será o meu Dom? Qual é a minha missão nesta vida? Talvez você não tenha obtido resposta na ocasião, mas pode ter certeza que todo mundo tem um Dom, portanto você também tem. É através desse Dom que devemos servir aos outros cumprindo a nossa missão de vida e assim nos realizarmos internamente e como consequência externamente também.

Para algumas pessoas estas questões já estão bem resolvidas, mas para muitas as respostas ainda são incógnitas a serem decifradas. Essas pessoas se sentem em conflito e sem direção diante do que devem fazer na vida, pois os valores espirituais e materiais se confrontam na mente delas criando muitas dúvidas que a impedem de descobrir qual é o seu verdadeiro Dom.

Para essas pessoas existe muita confusão em relação de como esses dons podem se manifestar. Talvez essas pessoas pensem que só pessoas especiais têm dons, na cabeça delas o Dom deve ser uma coisa muito rara de se ter... Deve ser comum elas dizerem: eu não tenho nenhum Dom e não sei o que fazer na vida, acho que não sei fazer nada...

O Dom, como a palavra já diz, é uma dádiva, um presente cósmico que rebemos quando nascemos. Alguns dons também podem ser o resultado de experiências, estudos e especializações feitas em vidas passadas.

Algumas pessoas têm vários dons, mas isso não quer dizer que tenham mais importância para o Cosmos, talvez elas tenham mais responsabilidade, pois como os nossos orientadores nos dizem, “quanto mais se sabe, mais se tem pelo que responder”. Outros têm apenas um Dom e também não são menores diante dos outros, pois talvez sejam muito especializados naquilo que sabem ou fazem... Portanto medidas mundanas não nos servem para analisar estas questões.

Bem, na realidade o Dom é algo muito simples, ele é puramente aquilo que temos maior facilidade e também prazer em fazer. Pode ser o Dom de cozinhar, o Dom de falar, o Dom de desenhar, o Dom de educar ou o Dom de medicar. Tem também o Dom de limpar, de planejar ou de construir e também o Dom de fazer os outros sorrirem. O que as pessoas precisam entender é que qualquer tarefa realizada com Amor é uma manifestação de algum Dom. Não existe um Dom mais valioso que o outro, pois todos eles são complementares entre si para ajudar a estabelecermos a unidade entre nós.

Voltando à questão de como descobrir qual é a sua missão de vida, em vez de se perguntar qual é o seu Dom, pergunte-se o que você gosta mais de fazer, o que você faz com naturalidade, o que lhe traz alegria ao fazer. A resposta deve ser sincera, sem estar ligada ao que a sociedade espera ou esperaria de você. Também não tente enganar a si mesmo buscando uma resposta ligada às suas expectativas materiais, esta resposta deve ser franca e vir lá do seu íntimo, do seu coração. Não pense no salário relativo à profissão escolhida, mas sim como você poderá exercer essa profissão de forma digna dando o melhor de si mesmo. Não é preciso um alto cargo em uma empresa ou então se tornar alguém famoso para se realizar internamente, é preciso apenas entender que você só será feliz se fizer o que realmente veio fazer aqui através do seu Dom.

Um exercício que talvez ajude você a descobrir qual é o seu Dom, é buscar lembranças na sua infância. Tente lembrar-se de coisas que você gostava de fazer na época ou então o que você gostava de ver os outros fazerem.

Os erros que geralmente acometem as pessoas ao fazerem escolhas sobre as suas profissões estão em não levarem a sério a sua intuição e se apegarem somente ao que a sociedade lhes impõe como modelo. Precisamos nos lembrar de que os valores estabelecidos pelo atual sistema só visam o lado material, e o que deve importar para nós realmente é o lado espiritual da situação.

Estamos cansados de ver pessoas insatisfeitas e confusas em relação ao que fazem porque simplesmente elas não descobriram ainda qual o seu verdadeiro Dom e escolheram missões totalmente equivocadas porque se deixaram levar pela opinião dos outros ou pelo seu próprio Ego.

Se você é uma dessas pessoas não se desanime, nunca é tarde para se descobrir, faça uma meditação sobre isso e deixe o seu Eu Maior lhe mostrar qual é o seu verdadeiro DOM e seja feliz. Acredite, você é naturalmente livre para escolher a resposta certa, ok?

Namastê,

Márian


quinta-feira, 13 de outubro de 2011



DEPRESSÃO, SÍNDROME DO PÂNICO... SOLIDÃO

Hoje em dia algumas moléstias como a Depressão e a Síndrome do Pânico têm se manifestado com mais intensidade entre nós. Estudos indicam que as suas causas podem ser genéticas ou a consequência de algum trauma, perda ou decepção. Observamos também que se manifestam como o resultado de uma grande pressão sobre a pessoa, exigências de uma situação incômoda da qual ela não sabe como se safar e isso pode se refletir como repressão e culpa.

Vários fatores da vida atual colaboram também para o agravamento deste desequilíbrio, como a luta econômica, os relacionamentos que hoje são muito individualistas e também a perda dos reais valores morais, éticos e espirituais.

A pessoa em depressão não vê saída para as suas angústias e aflições. Ela se fecha em si mesma e deixa a tristeza tomar conta de todo o seu ser. Algumas pessoas não conseguem nem sair da cama e nem comer tal é o seu desânimo diante da vida. Outras deixam de tomar banho, pentear o cabelo e em alguns casos podem até mesmo tentar o suicídio. Elas têm tanto medo de viver quanto de morrer. Algumas delas dizem que sentem como se tivessem um buraco no peito, um vazio, uma solidão sem fim...

Elas se sentem desarmadas e desamparadas, incapazes de resolver os problemas, frágeis diante da luta. Essas pessoas geralmente são sensíveis e de boa índole, mas geralmente estão sempre esperando por aprovação e reconhecimento. São pessoas que estão continuamente servindo, se esforçando para ajudar os outros, mas esperando serem amadas por isso. Algumas são queixosas e se fazem de vítimas, tudo isso simbolizando baixa autoestima e total descrédito em relação a si mesmas.

Alguns dizem que a pessoa depressiva foge da responsabilidade da vida e que às vezes é muito egoísta, mas penso que essas afirmações não espelham a verdadeira causa da doença, pois na verdade por trás do depressivo existe alguém solitário, que clama por ajuda. Realmente são pessoas muito carentes de AMOR, carinho e compreensão...

Bem, cada caso é um caso, mas pelo que pudemos observar na nossa experiência, o que falta a essas pessoas é aceitarem a vida como ela é, aceitarem a si mesmas com suas potencialidades e também com suas limitações. Elas precisam aprender a se desapegarem do resultado das suas ações e escolhas. Precisam parar de esperar a aprovação alheia, o reconhecimento das suas atuações. Como todo ser humano, elas precisam encontrar a Luz dentro delas, a Luz que indica a saída das trevas, a libertação do medo da não realização dos seus anseios e de si mesmas. Essa Luz é que dá a coragem para sair em busca de si mesmo e resolver as questões pendentes. As pessoas depressivas precisam encontrar a chama dessa força que irá resgatá-las da inércia.

A Meditação é um caminho para isso e pode ajuda-las e muito neste processo. Meditando a pessoa descobre uma nova forma de ver a vida e não se deixa mais levar por influências negativas. Meditando a pessoa descobre a Força Divina que existe dentro de si, portanto descobre que tem uma enorme capacidade de vencer obstáculos.

Agora, nem todas as pessoas depressivas conseguem tomar a atitude de sair sozinhas do estado em que se encontram e buscar ajuda na Meditação ou onde quer que seja, pois estão abatidas e sem forças, elas precisam então ser tocadas pela Luz de outra pessoa, alguém que lhes ame verdadeiramente e as ajude a sair da depressão. Pessoas que sabem doar de si mesmas sem esperar nada em troca. Isso vale não só para a Depressão, mas para qualquer tipo de doença. É preciso altruísmo e renúncia para ajudar na cura de alguém, além de muita paciência e compreensão.

Podemos aconselhar também aos depressivos que orem, pois a oração conforta a alma e realmente pode curar, mas acontece que às vezes eles não têm ânimo para rezar ou ainda, estão revoltados com sua condição e não querem fazer isso. Mais uma vez é preciso que as pessoas ao redor orem por eles.

A pessoa doente precisa de alguém que a estimule, que lhe dê esperanças, que lhe traga paz, que lhe mostre uma saída, que exalte as suas qualidades e que confie na sua capacidade de se realizar como pessoa. Esse alguém precisa mostrar ao depressivo que ele não precisa ser alguém importante ou inventar algo espetacular para que seja amado, basta que seja ele mesmo, verdadeiramente e simplesmente ele mesmo. Precisa afirmar para a o doente que ele não está sozinho, que existem pessoas ao seu lado que o amam e que farão de tudo para que ele se sinta bem.

Aquele que expressa AMOR está espelhando a divindade em si e por isso pode curar. O AMOR desperta AMOR, e isso traz Paz e Cura. Quando alguém é tocado pelo AMOR, pela Luz, o seu ser se transforma e ele começa a enxergar o que precisa fazer para encontrar a cura da sua doença. Ele descobre que não está sozinho, que a Grande Consciência Cósmica espelhada no outro é sua protetora, e acaba enxergando que a Vida na verdade é uma Benção e vale a pena lutar por ela.

Precisamos entender que quando alguém adoece as pessoas ao seu redor também adoecem espiritualmente, isso quer dizer que todas as doenças são caminhos para o aprendizado do AMOR e da Renúncia não só para o doente, mas para as pessoas que convivem com ele. Vivemos em sociedade para que nos amparemos uns aos outros, isso vale não só para os casos de doença, mas para qualquer outro tipo de problema.

Não só o doente precisa tomar a decisão de buscar a cura, mas as pessoas que o amam também devem se dispor a levar a cura até ele, cuidando da sua alma, mostrando através do exemplo, do altruísmo, a capacidade que o AMOR tem de curar, de transformar. A Compaixão é AMOR e pode Curar.

Namastê,

Márian


domingo, 9 de outubro de 2011





INTUIÇÃO - A CANÇÃO DO CORAÇÃO

Apenas quando nos silenciamos, quando nos abstemos dos pensamentos, podemos ouvir a canção do Coração. Ritmo e Harmonia juntos criam sons decodificados como respostas esclarecedoras para as nossas dúvidas...

O Coração, morada do Amor Infinito, está em ressonância constante com a Verdade Maior e, portanto as suas respostas são sempre sábias. Mas ele, o Coração, não consegue trabalhar sozinho, ele precisa da ajuda da nossa mente para que a sua canção se transforme em “CONSCIÊNCIA”.

O nosso Coração representa o feminino, a Mãe, e a nossa mente representa o masculino, o Pai. O Amor Mãe, a Vontade Pai. É preciso o encontro dos dois para que nasça o filho, o Cristo. O Cristo é O Ser Supremo nato em nós que precisa surgir para a vida e cumprir a sua missão que é SERVIR.

Para escutarmos a canção do Coração, a Fonte Suprema de Sabedoria, precisamos criar uma ponte entre a mente e o Coração para que eles possam trabalhar juntos. Isso é feito através da prática constante da meditação. Ao meditarmos educamos a nossa mente para que ela fique sempre sob controle e nos ajude a decifrar o que o nosso Coração tem a nos dizer.

Precisamos aprender a ouvir o som do Coração nos sentando em silêncio, nos desapegando dos pensamentos e deixando-os fluir. Assim nos tornamos receptivos às vibrações mais elevadas que além de nos nutrir, desbloqueiam os nossos ouvidos astrais e abrem os olhos da nossa alma para que possamos compreender o que a vida tem para nos ensinar. A prática da meditação fortalece a mente não deixando que ela se disperse em atividades como o pensamento repetitivo.

Todos os dias recebemos sinais do Cosmos que nos mostram a direção que devemos seguir. Quando aprendemos a ouvir a voz do Coração, isto é, quando estamos conectados, com a mente serena e atenta, podemos perceber esses sinais, ouvir a nossa intuição, ficando mais fácil discernir e tomar a atitude mais acertada.

É verdade que precisamos também do conhecimento intelectual, isto realmente é importante, mas isso não adianta nada se não houver uma interligação com o coração. É preciso aliar o conhecimento com a intuição para termos discernimento, senão ficaremos sempre na dúvida do que fazer e o medo estará sempre nos impedindo de prosseguir adiante. O conhecimento é necessário, mas é o Coração que deve dar a palavra final.

Precisamos aprender a nos entregar ao Fluir Universal da Vida e perder a mania de querer estar sempre no controle de tudo... É preciso acreditar que a Grande Consciência Cósmica já faz isso por nós... É preciso render-se... Dar um salto no vazio, acreditando plenamente no Plano Divino. É a união da mente com o Coração que nos dá a coragem e a certeza dessa Verdade.

A prática constante da meditação liberta a nossa mente dos grilhões do medo, das crenças e da ignorância de nós mesmos, nos revelando a nossa identidade divina. O silêncio faz despertar a Luz que existe dentro de cada um de nós, nos conectando com as Forças Evolutivas, para que possamos ouvir o som do Coração. À medida que vamos subindo de nível essa conexão vai ficando cada vez mais forte e a canção do Coração vai ficando mais clara e harmoniosa. Precisamos acreditar na nossa intuição, fruto da conexão com o Divino.

A Sabedoria Infinita do Cosmos é nata em nós, está apenas adormecida aguardando ser desperta por nós mesmos através do silêncio, da vontade e da entrega ao ABSOLUTO. Essa Sabedoria se manifesta através do som do Coração como a canção de AMOR mais suave e melodiosa que existe.

Namastê,

Márian