quinta-feira, 13 de outubro de 2011



DEPRESSÃO, SÍNDROME DO PÂNICO... SOLIDÃO

Hoje em dia algumas moléstias como a Depressão e a Síndrome do Pânico têm se manifestado com mais intensidade entre nós. Estudos indicam que as suas causas podem ser genéticas ou a consequência de algum trauma, perda ou decepção. Observamos também que se manifestam como o resultado de uma grande pressão sobre a pessoa, exigências de uma situação incômoda da qual ela não sabe como se safar e isso pode se refletir como repressão e culpa.

Vários fatores da vida atual colaboram também para o agravamento deste desequilíbrio, como a luta econômica, os relacionamentos que hoje são muito individualistas e também a perda dos reais valores morais, éticos e espirituais.

A pessoa em depressão não vê saída para as suas angústias e aflições. Ela se fecha em si mesma e deixa a tristeza tomar conta de todo o seu ser. Algumas pessoas não conseguem nem sair da cama e nem comer tal é o seu desânimo diante da vida. Outras deixam de tomar banho, pentear o cabelo e em alguns casos podem até mesmo tentar o suicídio. Elas têm tanto medo de viver quanto de morrer. Algumas delas dizem que sentem como se tivessem um buraco no peito, um vazio, uma solidão sem fim...

Elas se sentem desarmadas e desamparadas, incapazes de resolver os problemas, frágeis diante da luta. Essas pessoas geralmente são sensíveis e de boa índole, mas geralmente estão sempre esperando por aprovação e reconhecimento. São pessoas que estão continuamente servindo, se esforçando para ajudar os outros, mas esperando serem amadas por isso. Algumas são queixosas e se fazem de vítimas, tudo isso simbolizando baixa autoestima e total descrédito em relação a si mesmas.

Alguns dizem que a pessoa depressiva foge da responsabilidade da vida e que às vezes é muito egoísta, mas penso que essas afirmações não espelham a verdadeira causa da doença, pois na verdade por trás do depressivo existe alguém solitário, que clama por ajuda. Realmente são pessoas muito carentes de AMOR, carinho e compreensão...

Bem, cada caso é um caso, mas pelo que pudemos observar na nossa experiência, o que falta a essas pessoas é aceitarem a vida como ela é, aceitarem a si mesmas com suas potencialidades e também com suas limitações. Elas precisam aprender a se desapegarem do resultado das suas ações e escolhas. Precisam parar de esperar a aprovação alheia, o reconhecimento das suas atuações. Como todo ser humano, elas precisam encontrar a Luz dentro delas, a Luz que indica a saída das trevas, a libertação do medo da não realização dos seus anseios e de si mesmas. Essa Luz é que dá a coragem para sair em busca de si mesmo e resolver as questões pendentes. As pessoas depressivas precisam encontrar a chama dessa força que irá resgatá-las da inércia.

A Meditação é um caminho para isso e pode ajuda-las e muito neste processo. Meditando a pessoa descobre uma nova forma de ver a vida e não se deixa mais levar por influências negativas. Meditando a pessoa descobre a Força Divina que existe dentro de si, portanto descobre que tem uma enorme capacidade de vencer obstáculos.

Agora, nem todas as pessoas depressivas conseguem tomar a atitude de sair sozinhas do estado em que se encontram e buscar ajuda na Meditação ou onde quer que seja, pois estão abatidas e sem forças, elas precisam então ser tocadas pela Luz de outra pessoa, alguém que lhes ame verdadeiramente e as ajude a sair da depressão. Pessoas que sabem doar de si mesmas sem esperar nada em troca. Isso vale não só para a Depressão, mas para qualquer tipo de doença. É preciso altruísmo e renúncia para ajudar na cura de alguém, além de muita paciência e compreensão.

Podemos aconselhar também aos depressivos que orem, pois a oração conforta a alma e realmente pode curar, mas acontece que às vezes eles não têm ânimo para rezar ou ainda, estão revoltados com sua condição e não querem fazer isso. Mais uma vez é preciso que as pessoas ao redor orem por eles.

A pessoa doente precisa de alguém que a estimule, que lhe dê esperanças, que lhe traga paz, que lhe mostre uma saída, que exalte as suas qualidades e que confie na sua capacidade de se realizar como pessoa. Esse alguém precisa mostrar ao depressivo que ele não precisa ser alguém importante ou inventar algo espetacular para que seja amado, basta que seja ele mesmo, verdadeiramente e simplesmente ele mesmo. Precisa afirmar para a o doente que ele não está sozinho, que existem pessoas ao seu lado que o amam e que farão de tudo para que ele se sinta bem.

Aquele que expressa AMOR está espelhando a divindade em si e por isso pode curar. O AMOR desperta AMOR, e isso traz Paz e Cura. Quando alguém é tocado pelo AMOR, pela Luz, o seu ser se transforma e ele começa a enxergar o que precisa fazer para encontrar a cura da sua doença. Ele descobre que não está sozinho, que a Grande Consciência Cósmica espelhada no outro é sua protetora, e acaba enxergando que a Vida na verdade é uma Benção e vale a pena lutar por ela.

Precisamos entender que quando alguém adoece as pessoas ao seu redor também adoecem espiritualmente, isso quer dizer que todas as doenças são caminhos para o aprendizado do AMOR e da Renúncia não só para o doente, mas para as pessoas que convivem com ele. Vivemos em sociedade para que nos amparemos uns aos outros, isso vale não só para os casos de doença, mas para qualquer outro tipo de problema.

Não só o doente precisa tomar a decisão de buscar a cura, mas as pessoas que o amam também devem se dispor a levar a cura até ele, cuidando da sua alma, mostrando através do exemplo, do altruísmo, a capacidade que o AMOR tem de curar, de transformar. A Compaixão é AMOR e pode Curar.

Namastê,

Márian