quinta-feira, 8 de dezembro de 2011




Mexendo nos meus papéis antigos encontrei esta reflexão:


FLOR AMOR 


Durante um momento de meditação, vi um campo de flores que se espraiava nas montanhas enquanto o sol nascia. A minha visão foi sendo enfocada na direção de uma flor apenas, era um lírio com tons cor de rosa. Era um lindo botão de flor, e à medida que o sol ia se levantando no horizonte, ela começava a se abrir. O calor do sol e a sua luz dourada mexia com a sensibilidade da flor que ia se abrindo até a totalidade.


Não houve um instante sequer de paralisação do processo, tudo seguia com naturalidade, o sol cumprindo o seu ciclo diário irradiando calor e energia de vida e a flor sentindo também o calor do sol ia se abrindo, mostrando a sua beleza.


Meditando sobre isto, percebemos que toda a criação do universo flui naturalmente se seguir apenas a luz divina. Alguns de nós, seres humanos teimamos e não deixamos que a luz do amor penetre em nós com toda a sua intensidade.


Tememos a emoção da entrega, temos medo de nos perdermos. Mas, se não soubermos nos entregar como poderemos viver esta emoção tão intensa, tão profunda e maravilhosa?


Imagine se a flor ficasse racionalizando e escolhendo a hora de receber os raios do sol. Se de repente, ela resolvesse que não iria se abrir naquele instante; talvez uma parada no seu movimento interrompesse também o movimento da vida e aí... o botão que iria tornar-se uma flor, murcharia e interromperia o seu ciclo, morrendo antes mesmo de cumprir a sua missão que é tornar-se flor e refletir o sol em toda a sua beleza.


Nós todos somos flores estelares nascidas nos campos do universo. Seres feitos de amor para viver o amor; o amor verdadeiro, sem limites e condicionamentos. Estamos todos preparados para receber e viver esta energia que na verdade é a nossa energia essencial. Se somos amor, estamos aqui nesta dimensão para vivenciarmos isto em toda a sua plenitude.


"Sofrer por amor é uma ilusão. Se existe sofrimento em um relacionamento não existe amor".


Márian  09/1995