terça-feira, 7 de agosto de 2012




REFLEXÕES SOBRE UNIDADE E DUALIDADE

Realidade e Ilusão...
A Unidade é Luz, é Paz e Entendimento, é a expressão do Amor em todos os seus aspectos. À Unidade é Verdade, Realidade e Pura Consciência.
A dualidade pelo contrário é simplesmente a dúvida sobre a realidade da Unidade, ou seja, é a ignorância sobre a interligação e a natureza complementar que há entre tudo o que existe, e o quê isso implica.
A Unidade é o Todo Abrangente, Infinito e Eterno e manifesta-se no plano físico com o objetivo único de compartilhar o Amor. Ela torna visível a sua Luz imanente através da materialização do Amor Universal no mundo das formas.
A dualidade por outro lado, é o resultado da ilusão na separatividade individual causada por crenças errôneas em aspectos sociais, religiosos e políticos da humanidade, é o ego propriamente dito e é daí que surge o sofrimento.
A Unidade é o Todo que contém e está contido em tudo o que existe. Portanto, a dualidade é apenas uma percepção distorcida da Realidade e só existe na mente das pessoas.
A dualidade na verdade é consequência da imaturidade espiritual dos que ainda não alcançaram a compreensão da Totalidade, que ainda acreditam na separatividade entre a Unidade e o indivíduo. Entretanto isso é natural, pois a espiral evolutiva é formada por vários níveis de entendimento, desde o esquecimento do Eu até a sua completa reintegração consciente ao Todo.
A dualidade está na mente daqueles que ainda não percebem Deus dentro de si, que ainda vivem na materialidade, se deixando iludir por desejos de posse e poder causados pela cegueira espiritual. A dualidade é uma miragem causada pelo calor dos desejos pessoais separatistas que só almejam o bem individual. Para se viver a Consciência da Unidade, é preciso se ver como parte intrínseca da Humanidade Universal e servir para o bem comum.
Dentro deste processo, também é necessário compreender que nada acontece por acaso, tudo tem o tempo certo de maturação e a realidade é bem mais ampla do que os olhos físicos podem captar. Portanto, a ilusão da separatividade ou dualidade termina quando sentimos Deus como uma força nata em nós com poder de realização e completude infinitas. Como consequência desse sentimento acontece a entrega total à Vontade Divina, ou seja, a reintegração consciente à Unidade.
O despertar para a Luz na verdade, é o abrir dos olhos da alma para a realidade da UNIDADE. Na verdade, não existe destruição do ego, mas a conscientização do Eu Superior, daquele que É, que sempre foi e sempre será. A chamada ilusão de Maya termina quando conseguimos enxergar Luz não só em nós mesmos, mas em todas as criaturas, coisas e circunstancias, chegando-se a conclusão de que a dualidade é apenas uma percepção enganosa da realidade.
Observamos que o mundo material às vezes é visto como castigo, como uma fonte de sofrimento, mas ele na verdade é uma dádiva, ele é a janela por onde podemos admirar e vislumbrar a Luz. Não podemos rejeitar a experiência da Vida, pois ela é redentora e magnífica. É importante entender que a Unidade ao se manifestar na matéria tem como única causa e objetivo o Amor, portanto todas as coisas que nos acontecem são oportunidades de entendimento para a nossa evolução e resolução.
Concluindo, é a crença na separatividade que causa o sofrimento. É o egoísmo e seus desdobramentos que nos afastam da felicidade. Portanto, não deixe que o Ego moribundo te leve a acreditar que você vai perder a sua individualidade, ou se dissolver em um buraco negro se você se deixar levar pela Vontade Divina e passar a viver na Unidade, pelo contrário, você irá se reconhecer e passará definitivamente a SER.
Somos partes intrínsecas da Grande Consciência Cósmica e caminhamos cada um em ritmo próprio, tendo experiências de luz e sombras até que só se veja e vivencie LUZ, UNIDADE.
Amor sempre Amor,
Márian