quarta-feira, 27 de novembro de 2013



SENTIMENTOS E EMOÇÕES À FLOR DA PELE...

As emoções são o resultado da nossa percepção diante das circunstâncias da vida, sejam positivas ou negativas, sendo que essas últimas quando mal administradas podem causar desequilíbrios como depressão, stress, acessos de fúria, síndrome do pânico, etc. Devemos entender porém que a raiva, o medo e a tristeza são sentimentos naturais do ser humano e na verdade não devem ser reprimidos, mas observados para percebermos o que estão tentando nos mostrar. Geralmente esses sentimentos estão ligados a aspectos da nossa personalidade que precisam vir à tona, serem compreendidos e trabalhados para que a partir daí possamos agir de forma mais equilibrada. 

Devemos nos observar sempre e nos questionarmos de forma objetiva, numa postura de receptividade e abertura para as revelações que possivelmente teremos sobre nós mesmos. O medo, por exemplo, é um sentimento primitivo ligado ao instinto de sobrevivência, mas também está ligado à ilusão de separatividade, ao não-reconhecimento da nossa origem divina. Isso resulta de certa maneira em baixa autoestima, sensação de desamparo, abandono e fragilidade diante das questões da vida. É preciso então fazer o resgate da fé no Todo e em si mesmo para trazer de volta o sentimento de completude interna, tendo como resultado coragem e força para se ultrapassar limites.

Já a raiva geralmente é o resultado de um xeque-mate em nossas questões mais íntimas. Por que nos sentimos tão ofendidos e feridos no nosso orgulho quando alguém nos recrimina? Na verdade, só o ego se sente ofendido ou magoado, portanto devemos nos questionar quais serão as razões que podem estar por trás desses sentimentos. Será que não estamos precisando trabalhar a humildade ou o desapego? 

Portanto para lidarmos com as emoções precisamos estar centrados e serenos, buscando com calma compreender essas lições. Não podemos nos deixar levar por ondas emotivas e tomarmos atitudes puramente instintivas. É preciso respirar fundo e serenar a mente tentando visualizar as questões sob um ângulo impessoal e intuitivo. Assim sendo, vamos respirar fundo, acalmar o nosso coração e dizer pra nós mesmos quando estivermos com as “emoções à flor da pele”: Calma... tudo passa... Vamos deixar que os sentimentos esfriem antes de tomarmos qualquer decisão. Vamos nos lembrar que é importante diminuir o fluxo das emoções para que não se transformem em turbilhões incontroláveis. 

Portanto é preciso dominar a mente e para isso aconselhamos a meditação como uma prática sempre muito eficiente para isso. A disciplina mental e a observação constante do nosso ser através da sua prática, ajuda a conquistar um estado pacífico, tranquilo e distanciado da situação onde podemos ter uma noção ampla do que se passa no nosso interior e ao nosso redor. 

Além disso, é importante lembrar que, na verdade, somos seres conscientes, capazes e inteligentes para lidarmos com situações e emoções, tomando sempre decisões maduras e sensatas. Não nos esqueçamos que a paz e a serenidade já existem dentro de nós, precisamos apenas aprender a acessá-las para vivermos o dia a dia com equilíbrio e sensatez. Portanto, “muita calma nessa hora”, vamos nos silenciar, respirar profundamente e meditar para nos conhecermos melhor e lidarmos com as emoções harmoniosamente.


Namastê,

Márian