quarta-feira, 16 de julho de 2014



VERDADE


Jesus disse a frase "a Verdade vos libertará" há dois mil anos atrás,  revelando qual seria o resultado da nossa busca pelo entendimento, pela compreensão de quem realmente somos, e qual é a finalidade da existência humana.

E qual é essa Verdade afinal?

De fato, todos nós estamos aqui no planeta terra para vivenciarmos algo muito especial, a experiência magnífica da vida! A vida em toda a sua complexidade, o vivenciar dos sentimentos, das emoções, a geração de constante fricção entre polaridades para que daí surja a fagulha que irá reacender a chama inata do Amor em nós... são rodas e rodas de relacionamentos em uma dança infinita, jogos entre o ego e o Eu. 

E durante esses jogos, do fundo do nosso cerne surge uma pergunta inquietante que não nos deixa relaxar um só instante, que nos movimenta, nos impulsiona, mesmo durante os nossos sonhos... o que será que nos trouxe aqui, qual o propósito da vida, da nossa existência? 

A cada passo dado, a cada emoção vivenciada, essa questão vai se tornando ainda mais inquietante, nos colocando em meio a turbilhões de pensamentos, nos fazendo percorrer labirintos de sentimentos, que no final das contas nos colocarão cada vez mais próximos de nós mesmos. Sim, o nosso Eu é sábio e sabe bem que precisa percorrer vários caminhos até reencontrar-se.

Descobrimos então que só ouvindo o silêncio não seremos ludibriados pelos sentidos...somente em silêncio poderemos estar face a face com o nosso verdadeiro Eu e ouvirmos a sua voz, aquela que vem do coração e que pode nos revelar a resposta sublime tão desejada por nós...

A Verdade...

Mas, alguns dizem que a verdade é relativa. Bem, podemos dizer que até que transcendamos o mundo das formas e dos sentidos ela realmente é relativa, pois está limitada ao nível de entendimento de cada um, à capacidade que cada um tem de enxergar e de perceber, mas realmente a VERDADE é Única e Absoluta.

Então qual é a VERDADE?

Simplesmente que a causa e o objetivo de toda a existência é o Amor...

Que tudo o que existe, a natureza universal, todas as criaturas desta e de todas as outras dimensões são unicamente manifestações do Amor...

Tudo existe para que o Amor seja experimentado e vivificado... De fato, um plano magnífico do próprio Amor, Fonte Criadora da Totalidade, para se multiplicar e se expandir, potencializando ainda mais a sua força transformadora e libertária.

Todas as circunstâncias da vida nos levam a entender e a praticar o Amor, nada além disso. Mesmo eventos aparentemente negativos quando observados com profundidade nos induzem ao entendimento do que é o Amor e de como exercê-lo.

Tudo mais é ilusão... a maldade, o egoísmo, o sofrimento, tudo isso é manifestação do ego humano. São criações de mentes ainda destreinadas e deslumbradas pelo falso brilho do “mundo”. São enganos de mentes ainda imaturas e inexperientes, ainda apegadas ao prazer e a dor, a crenças, preconceitos e sentimentos de separatividade. São criações sombrias de mentes que não caminharam ainda pelo vale do silêncio onde se podem ouvir os sussurros do coração, vibrações que impulsionam a mergulhar no vazio e a despertar o Amor inato em si, fazendo com que as dúvidas sobre o verdadeiro Eu se desvaneçam ao fulgor da Luz...

É nessa viagem eterna que compreendemos que o AMOR, energia Sublime e Divina, é a UNIDADE em todos os parâmetros universais, é a própria Luz... é Entendimento, Aceitação, Compaixão, Tolerância, Alegria, Serviço e Gratidão...

Porém é preciso se conscientizar que a Verdade apenas se manifestará para nós quando pararmos de relutar egoisticamente e nos rendermos ao Amor incondicional, pois, viemos do Amor para vivenciá-lo e irradiá-lo sem medidas, questionamentos ou julgamentos porque Somos todos Um... 

E essa é a VERDADE que liberta...

Absoluta, Eterna, Imutável e Completa em Si mesma...

Márian


terça-feira, 8 de julho de 2014




MEDITAÇÃO DA LUA CHEIA

Sexta feira, dia 11 de julho é dia de lua cheia, dia muito propício para meditar. 
Quando meditamos não só harmonizamos o nosso ser, mas tudo o que nos cerca. Por isso, em todo o planeta grupos de pessoas se unem para meditar na noite de lua cheia. Além do festival de Wesak na lua cheia de Touro, nos reunimos para meditar também em todas as outras luas cheias do ano. São momentos de Paz, União e Partilha onde nos unimos de coração a todos aqueles que meditam para irradiar Luz para a humanidade.

Convidamos vocês a se unirem a nós na próxima sexta feira, dia 11 de julho às 19:30 horas. Reunião aberta

Endereço: Recanto do Poeta - Lagoa Santa - MG

Informações de como chegar: marian.luar@ig.com.br

Namastê,


Márian

segunda-feira, 7 de julho de 2014



ENQUANTO NÃO SE ENTREGAR...

Enquanto você não se entregar não poderá se encontrar...
Deixe ir o seu falso eu para que o seu verdadeiro Eu possa se manifestar...
Abra mão da sua personalidade... das suas crenças, ideias, desejos e aversões...
aquiete-se e se solte no vazio...
sem expectativas ou julgamentos...
se você se render o seu ego não terá mais como relutar e se dissolverá...
a ilusão então perderá a sua força...
E nada mais restará a não ser o Eu...
A Verdade...
A Luz...
A Paz...


Márian


quarta-feira, 2 de julho de 2014





DESAPEGO

O apego é a causa de todo o sofrimento humano. Diante disso, sabemos que precisamos nos desapegar, mas o que isso significa e como alcançamos isso? 

Antes de mais nada é preciso entender que o desapego maior que precisamos ter não é em relação à matéria ou a relacionamentos com outras pessoas, mas sim nos desapegarmos do nosso ego, da nossa personalidade, de ideias e crenças limitadoras, de emoções e sentimentos de baixa vibração e de pensamentos negativos. Se conseguirmos isso seremos livres e serenos em todas as situações; capazes de ver as circunstancias como elas são realmente, sem ilusões ou expectativas fantasiosas. Portanto, sem apego não teremos nenhuma ansiedade em relação a nada. Não esperaremos nada de ninguém, nenhum resultado pressuposto, nenhum reconhecimento alheio, seremos apenas o que somos, parte sagrada do Todo e só isso nos trará imensa paz e felicidade.

Na verdade somos apegados ao nosso ego, às ideias criadas pela nossa mente, conceitos baseados em crenças, medos e anseios, geralmente uma imagem bastante distorcida do que seria o nosso Eu, uma imagem muito cristalizada e difícil de ser dissipada. 

Todas as características da nossa personalidade foram criadas por projeções daquilo que imaginamos ser uma pessoa ideal para que ela seja aprovada pela sociedade, pelos nossos pais, amigos e outras pessoas importantes para nós. Pensamos que para “vencer na vida” temos que ser parecidos com esta ou aquela pessoa que se “deu bem”, deixando de lado a nossa real natureza, os nossos dons e as nossas virtudes divinas, nos causando transtornos internos e externos. Estamos sempre nos comparando a alguém, desejando ser como outra pessoa e competindo com os outros; resumindo, nunca estamos satisfeitos com o que somos. A grande maioria tem a ilusão de que só será feliz se for bonito ou rico. Assim nos tornamos pessoas carentes e confusas, sem saber quem realmente somos, com muito medo de sermos rejeitados e de ficarmos sozinhos e sermos infelizes. Com isso vamos criando máscaras e mais máscaras para nos defendermos da solidão e da insatisfação que temos conosco.

Bem, a primeira coisa a ser feita para nos desapegarmos do ego é abrir o coração e a mente para admitirmos que essa imagem não corresponde à realidade, pois o nosso Verdadeiro Eu é simplesmente Consciência e não tem nenhuma pretensão de ser algo além disso, pois já é completo em si mesmo. A missão do nosso verdadeiro Eu é ser o Amor em plenitude, alcançando assim a felicidade plena na União Consciente com o Todo. Na verdade, a nossa Consciência está apenas adormecida e precisa passar pela experiência da vida para despertar e se autorrealizar. 

De fato, é o desapego ao ego que irá dissipar a falsa imagem de nós mesmos, trazendo alívio para os nossos conflitos ao nos revelar a nossa verdadeira identidade. Precisamos porém de coragem para enxergar a nossa própria sombra, humildade para admiti-la e determinação para não nos deixarmos influenciar por ela novamente. É necessário silenciar a nossa mente para apagarmos as imagens que criamos, abandonarmos os aspectos negativos e fantasiosos de nós mesmos e deixarmos aflorar do nosso coração o nosso verdadeiro Eu. 

Concluindo, somente através do desapego real poderemos nos enxergar, assumir quem realmente somos e assim nos tornarmos seres realizados e felizes.


Namastê,

Márian