domingo, 7 de setembro de 2014


Mantra "Atma Shatakam"

“Dizem que um garoto de oito anos caminhava no Himalaia para encontrar um famoso guru. Num certo momento de sua longa jornada, o jovem encontrou um sábio, que perguntou: “Quem é você?”. O garoto, então, respondeu com as seis estrofes do poema/mantra "Chidananda", descobrindo, logo após isso, que aquele sábio era a quem tanto procurava.”

Mano Buddhi Ahankara Chitta Ninaham
Nacha Shrotra Jihve Na Cha Ghrana Netre
Nacha Vyoma Bhoomir Na Tejo Na Vayu
Chidananda Rupa Shivoham Shivoham

Na Cha Prana Samjno Na Vai Pancha Vayu
Na Va Saptadhatur Na Va Pancha Koshah
Na Vak Pani Padau Na Chopastha Payu
Chidananda Rupa Shivoham Shivoham

Na Me Dvesha Ragau Na Me Lobha Mohau
Mado Naiva Me Naiva Matsarya Bhavah
Na Dharmo Na Chartho Na Kamo Na Mokshah
Chidananda Rupa Shivoham Shivoham

Na Punyam Na Papam Na Saukhyam Na Dukham
Na Mantro Na Teertham Na Vedo Na Yajnaha
Aham Bhojanam Naiva Bhojyam Na Bhokta
Chidananda Rupa Shivoham Shivoham

Na Me Mrityu Shanka Na Me Jati Bhedah
Pita Naiva Me Naiva Mata Na Janma
Na Bandhur Na Mitram Gurur Naiva Shishyah
Chidananda Rupa Shivoham Shivoham

Aham Nirvikalpo Nirakara Roopaha
Vibhur Vyapya Sarvatra Sarvendriyanam
Sada Me Samatvam Na Muktir Na Bandhah
Chidananda Rupa Shivoham Shivoham

Tradução:

Eu não sou mente, nem intelecto, nem ego,
nem os reflexos do eu interior.
Eu não sou os cinco sentidos. Eu sou além disso.
Eu não sou o éter, nem a terra, nem o fogo, nem o vento.
Eu sou de fato, essa eterna bem-aventurança e conhecimento, Shiva,
amor e consciência pura.

Também não posso ser denominado como energia, nem cinco tipos de respiração, nem os sete essências materiais, nem os cinco revestimentos.
Nem eu os cinco instrumentos de eliminação,procriação, movimento, agarrar, ou falar.
Eu sou de fato, essa eterna bem-aventurança e conhecimento, Shiva,
amor e consciência pura.

Eu não tenho nenhum ódio ou antipatia, nem filiação ou simpatia,
nem a ganância, nem ilusão, nem orgulho ou arrogância, nem sentimentos de inveja ou ciúme.
Eu não tenho nenhum dharma, nenhum dinheiro, nem qualquer desejo, nem mesmo a liberação.
Eu sou de fato, essa eterna bem-aventurança e conhecimento, Shiva,
amor e consciência pura.

Eu não tenho nenhuma virtude, nem nenhum demérito.
Eu não cometo pecados ou boas ações, nem tenho felicidade ou tristeza,
dor ou prazer.
Eu não preciso de mantras, lugares sagrados, escrituras, rituais ou sacrifícios.
Eu não sou nenhuma a tríade, o observador ou aquele que experimenta,
o processo de observar ou experimentar, ou qualquer objeto que está sendo observado ou experimentado.
Eu sou de fato, essa eterna bem-aventurança e conhecimento, Shiva,
amor e consciência pura.

Eu não tenho medo da morte, como eu não tenho a morte.
Eu não tenho nenhuma separação do meu verdadeiro eu, não tenho dúvida sobre a minha existência, nem tenho discriminação com base no nascimento.
Eu não tenho pai nem mãe, nem tenho nascimento.
Eu não sou o parente, nem o amigo, nem o guru, nem o discípulo.
Eu sou de fato, essa eterna bem-aventurança e conhecimento, Shiva,
amor e consciência pura.

Eu sou onipresente. Eu sou sem quaisquer atributos, e sem qualquer forma. Eu não tenho nenhum apego ao mundo, nem para a libertação.
Eu não tenho vontade de nada porque eu sou tudo, em todos os lugares,
toda vez, sempre em equilíbrio.
Eu sou de fato, essa eterna bem-aventurança e conhecimento, Shiva,
amor e consciência pura.